Últimas Notícias
Receita Federal apreende equipamentos médicos clandestinos no Aeroporto de Guarulhos
Uruguai decreta emergência agropecuária no leste por excesso hídrico
Jovem é decapitada durante acidente de trânsito em Paragominas, sudeste paraense
Homem é preso suspeito de transportar entorpecentes dentro de rede, em Juruti
Tornado nos EUA mata cinco e devasta estado de Iowa
Petrobras: Comitê de Pessoas diz que Magda Chambriard preenche requisitos para comandar empresa
Em Belém, Alckmin anuncia que ‘Brasil será oitava economia do mundo até o fim de 2024’; assista
Entenda a diferença entre 1º e 2º turnos e o que leva uma eleição para 2º turno
Demapa investiga morte de 7 gatos por suposto envenenamento em Belém
Devotos lotam Paróquia em celebração de Santa Rita de Cássia no bairro de Canudos, em Belém; assista
Egito ameaça deixar de ser mediador de acordo para cessar-fogo em Gaza
Marido de cantora gospel brasileira é preso nos EUA por abuso sexual contra criança 
Com mudanças na defesa, Paysandu está escalado para a final da Copa Verde contra o Vila Nova-GO
Alepa aprova Projeto que altera o Programa Estadual de Transporte Escolar no Pará
Mortos pela chuva no RS chegam a 162, diz Defesa Civil
Next
Prev

Afastado da CBF, Caboclo apresenta defesa na comissão de ética e nega assédio

Os advogados do presidente afastado da CBF, Rogério Caboclo, apresentaram nesta quarta-feira aos membros do Comitê de Ética da entidade a defesa do dirigente. Ele foi removido temporariamente do cargo no início de junho, dias depois de vir à tona denúncia de assédio sexual e moral contra ele por parte de uma funcionária.

De acordo com a nota enviada à imprensa pela assessoria de Caboclo, o documento protocolado "desconstrói a acusação contra ele e apresenta laudos periciais, pareceres e provas" em busca de provar a inocência do dirigente no processo que tramita no Comitê de Ética da CBF.

A defesa voltou a dizer que Caboclo não cometeu "nenhum tipo de assédio" e afirmou que o presidente afastado da CBF é "vítima de um procedimento absolutamente viciado que tem como base provas ilícitas, depoimentos de testemunhas evidentemente interessadas em um desfecho negativo para o acusado e fundamentação jurídica esdrúxula".

Rogério Caboclo diz que Marco Polo Del Nero, seu então padrinho político e ex-presidente banido do futebol por corrupção, é o mentor de seu afastamento e do suborno à funcionária no valor de R$ 12 milhões para que ela não protocolasse a acusação no Conselho de Ética da entidade e a tornasse pública. Del Nero nega.

No último sábado, a comissão independente que investiga o caso dentro da CBF negou pedido do presidente afastado para retomar seu posto no comando da entidade e prorrogou por mais 60 dias o seu afastamento, tempo que julga suficiente para a conclusão da investigação.

Se a Comissão de Ética considerar que Caboclo deve ser destituído da presidência, os 27 presidentes de federações terão que se reunir para votar. A votação pode acontecer antes do fim do prazo de 60 dias do afastamento do dirigente, que foi substituído temporariamente pelo coronel Antônio Carlos Nunes.

Além do processo na CBF, Rogério Caboclo é alvo de uma investigação criminal do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) e de outra no Ministério Público do Trabalho (MPT-RJ).

*Com Informações Notícias ao Minuto

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM