Últimas Notícias
Em Belém, Alckmin anuncia que ‘Brasil será oitava economia do mundo até o fim de 2024’; assista
Demapa investiga morte de 7 gatos por suposto envenenamento em Belém
Devotos lotam Paróquia em celebração de Santa Rita de Cássia no bairro de Canudos, em Belém; assista
Egito ameaça deixar de ser mediador de acordo para cessar-fogo em Gaza
Marido de cantora gospel brasileira é preso nos EUA por abuso sexual contra criança 
Com mudanças na defesa, Paysandu está escalado para a final da Copa Verde contra o Vila Nova-GO
Alepa aprova Projeto que altera o Programa Estadual de Transporte Escolar no Pará
Mortos pela chuva no RS chegam a 162, diz Defesa Civil
Paysandu faz 3 a 0 no Vila e encaminha tetra da Copa Verde; acompanhe
Ensaio da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos é adiada por causa da elevação do rio Sena
Pará registra redução de 10% nos casos de violência doméstica nos primeiros quatro meses de 2024
Banda mexicana RBD se pronuncia sobre caso de desvio de dinheiro em turnê
PC do Pará e Pernambuco prendem homem que aplicava golpes nas redes sociais
Clube do Remo: lateral Helder confia em vitória fora de casa contra o Náutico
Servidores estaduais são presos após descoberta de movimentações de quase R$ 6 milhões no Pará
Next
Prev

Agentes matam 4 e prendem 2 suspeitos do assassinato do presidente do Haiti

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Quatro suspeitos de matar o presidente do Haiti, Jovenel Moïse, 53, foram mortos pelas forças de segurança do país, enquanto outros dois foram detidos, anunciou na televisão local o chefe da Polícia Nacional, Leon Charles, na noite desta quarta-feira (7).

"A polícia ainda está em confronto com os agressores", afirmou Charles, que acrescentou que três agentes feitos reféns pelos suspeitos foram libertados. "Eles serão mortos ou capturados."

A detenção dos suspeitos foi anunciada pelo vice-ministro das Comunicações do país, Frantz Exantus, em sua rede social, antes do pronunciamento do chefe da polícia.

Moïse foi morto a tiros por um grupo de agressores em sua residência privada durante a madrugada desta quarta, informou por meio de um comunicado o primeiro-ministro interino, Claude Joseph, que classificou o caso de "ato odioso, desumano e bárbaro".

Segundo o premiê, a esposa de Moïse, Martine, 47, também foi baleada e está recebendo cuidados médicos. O embaixador haitiano nos EUA, Bocchit Edmond, disse no início da tarde que a primeira-dama está em estado crítico e foi transferida para receber tratamento em Miami.

Sem dar mais detalhes, o comunicado de Joseph afirmou ainda que parte dos invasores falava espanhol, o que indicaria que eles não são haitianos –os idiomas oficiais do país são o francês e o crioulo.

O embaixador haitiano nos EUA chegou a dizer, em entrevista ao jornal britânico The Guardian, que os assassinos que invadiram a casa de Moïse alegavam ser membros da agência americana antidrogas (DEA, na sigla em inglês).

"Foi um ataque bem orquestrado. Eles [os agressores] diziam às pessoas que vieram como parte de uma operação da DEA."

Mais tarde, em entrevista coletiva, Ned Price, porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, responsável pela diplomacia americana, disse que as acusações são "absolutamente falsas".

O país agora é comandado pelo premiê interino, segundo ele afirmou em entrevista ao jornal americano The New York Times –o presidente da Suprema Corte do país seria o nome a preencher a lacuna, mas o último detentor do cargo, René Sylvestre, morreu no mês passado, vítima da Covid-19.

Após uma reunião de gabinete com outros membros do governo, o primeiro-ministro declarou estado de sítio, o que confere ainda mais poderes ao Executivo no país em que o Legislativo teve suas funções praticamente anuladas por Moïse. O líder autoritário governava por meio de decretos desde o ano passado, após suspender dois terços do Senado, toda a Câmara dos Deputados e todos os prefeitos.

Joseph fez um apelo à comunidade internacional para que o assassinato do presidente seja investigado e à Organização das Nações Unidas (ONU) para que uma reunião do Conselho de Segurança seja convocada.

De acordo com informações da agência de notícias AFP, o órgão se reunirá, a pedido dos Estados Unidos e do México, em caráter de urgência nesta quinta (8) para discutir a situação haitiana. O Brasil faz parte do conselho, como membro rotativo.

O ataque a Moïse ocorreu em meio a uma onda crescente de violência ligada à crise política do país. Com o Haiti profundamente polarizado e enfrentando uma crise humanitária e escassez de alimentos, há temores de uma desordem generalizada.

Nesta madrugada, houve relatos de tiros em toda a capital, Porto Príncipe, e, no começo da manhã, forças de segurança montaram um sistema para controlar a circulação de pessoas nas ruas. Segundo a agência de notícias Reuters, o aeroporto internacional da cidade foi fechado, e a vizinha República Dominicana ordenou o bloqueio da fronteira que divide com o país.

Fonte: Notícias ao Minuto

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM