Últimas Notícias
Seduc divulga critérios para participação no programa ‘Bora Estudar’
PF captura três foragidos condenados por crimes sexuais no Pará
Em onda de violência, população do Equador sofre com abusos militares
Homem furta refletor de obra do BRT na BR-316, em Ananindeua; assista
Sebrae oferece capacitação a empreendedores do turismo local
Paysandu inicia venda de ingressos para partida contra o Castanhal, pelo Parazão
Joe Biden diz que informação sobre apoio de Taylor Swift é “confidencial”
FPF define data e horário da última rodada da primeira fase do Parazão; confira
Frutas brasileiras previnem doenças crônicas e problemas no intestino, diz estudo
BR-316 passa por intervenções nos dois sentidos da via até a próxima sexta (1º); veja as alterações
Ministro diz que é "falácia" envio de ativos russos para Ucrânia
Suspeitos entram em academia para roubar aluno em Fortaleza (CE); veja vídeo
Internautas do Roma News apostam na saída de Rodriguinho do BBB24
Professor é morto a tiros ao desembarcar em rodoviária de Parauapebas
Athletic Club x Volta Redonda: onde assistir ao vivo e horário do jogo hoje (27) pela Copa do Brasil
Next
Prev

Após alta em janeiro, preço do pescado começa a estabilizar em Belém

O período chuvoso, também chamado de “inverno amazônico”, impacta diretamente a venda de peixes na capital paraense, devido à escassez na oferta de determinados tipos de pescado negociados na Pedra do Peixe, no Complexo do Ver-o-Peso. Na Feira da Pedreira, a dourada e a pescada amarela ficaram entre 40 e 70% mais caras no mês de janeiro. De acordo com vendedores do produto no local, neste mês de fevereiro, os preços estão voltando ao normal. Enquanto isso, consumidores habituados a comprar o produto não abrem mão de adquiri-lo.

Mário Santos, 57 anos, que trabalha há mais de quatro décadas no ramo, comercializa uma variedade de peixes na feira pedreirense. As espécies que estavam disponíveis no boxe de Mário, na manhã desta sexta-feira, eram: dourada, piramutaba, pescada branca, cação, filhote, tainha e pratiqueira. Após a subida de preços no início do ano, o vendedor diz que, ultimamente, tem encontrado peixes mais em conta no Ver-o-Peso: “Começou a dar uma baixada, porque começou a aparecer em maior qualidade e em mais quantidade. Aí vai reduzindo mais o preço”, explicou. 




Consumidores à procura de peixe na Feira da Pedreira, em Belém, nesta sexta-feira (9) (Foto: Thiago Gomes | O Liberal)

Segundo o comerciante, a pescada amarela e o filhote foram as espécies que chegaram a custar mais caro: R$ 50 (o quilo). Apesar da inflação, os clientes não deixaram de adquirir as referidas espécies. “O pessoal dá uma choradinha, mas sempre leva, entendeu? Porque a população gosta de peixe e açaí, né? Esses [itens] daí, o pessoal pode até reclamar do preço, mas sempre leva”, opinou. Apesar de não comercializar gó, Mário informou que o preço médio deste tipo de peixe é de R$ 15 a R$ 20, na Feira da Pedreira.

Outro vendedor, que preferiu não se identificar à reportagem, disse que a pescada amarela, atualmente vendida a R$ 40 (o quilo), já chegou a custar R$ 50 em seu boxe, em janeiro. O quilo da dourada, que está custando R$ 25, foi o que teve maior reajuste: chegou a R$ 40. Ainda de acordo com o comerciante, a pratiqueira e a piramutaba se mantiveram no preço médio de R$ 20 (o quilo).


image


O vendedor Mario Santos (57 anos) atende o cliente Raimundo Cabral (90), aposentado (Foto: Thiago Gomes | O Liberal)

O aposentado Raimundo Cabral, 90 anos, é um dos clientes de Mário Santos que costuma comprar peixe toda semana; um hábito que não é alterado pela alta nos preços: “Eu compro o peixe da minha preferência. Graças a Deus, eu tenho um salário que dá para eu passar o mês, né?”, informou. Hoje, seu Raimundo levou para casa dois quilos de tainha, que saiu a R$ 30 (o quilo). “O melhor peixe do mercado, no momento, é a tainha. Para quem gosta de comer a ova, é a única ova de exportação”, opinou o consumidor, que também costuma adquirir pescada amarela e anchova com frequência.

Apesar de não ser impactado pela inflação do peixe, o aposentado reconhece que os preços altos dificultam a aquisição do produto por boa parte dos trabalhadores paraenses. “O peixe tá caro, para quem ganha o salário mínimo, tá difícil o negócio, meu irmão. Mas eu mantenho o costume, eu fui criado com peixe salgado, sou de Curuçá”, acrescentou seu Raimundo.

Peixes que estão baixando de preço | Valor do kg

  • Filhote: R$ 40 (já chegou a R$ 50)
  • Pescada amarela: R$ 35 a R$ 40 (já chegou a R$ 50)
  • Gurijuba: R$ 30 (já chegou a R$ 35)
  • Dourada: R$ 20 a R$ 25 (já chegou a R$ 40)
  • Pescada branca: R$ 20 (já chegou a R$ 25)

Peixes que se mantiveram na média | Valor do kg

  • Pratiqueira: 20
  • : R$ 15 a R$ 20 
  • Piramutaba: R$ 15 

Com Informações de O LIberal

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM