Últimas Notícias
Caminhonete naufragada há dois meses é encontrada no Rio Xingu, no Pará
Ucrânia documentou mais de 300 casos de violência sexual das tropas russas
MP oferece denúncia contra PM da reserva que atirou em torcedor do Remo
Ministra da Segurança da Argentina visita maior presídio das Américas no Equador
Chefe da Otan quer armas nucleares de prontidão para se proteger de ofensiva da Rússia
Torneio ‘Amazônia Cup Internacional de Jiu-Jitsu’ reúne 2 mil competidores no Mangueirinho
Vídeo: Mbappé quebra o nariz durante jogo da Eurocopa
Paraense de oito anos celebra aniversário com tema de ‘Jacqueline Brazil’, repórter do tempo da TV Globo; assista
Luciano Huck critica PL do Aborto na TV e cobra Arthur Lira: ‘Criança não é mãe’
Filme live-action de Chico Bento ganha primeiro trailer; assista
Eleições na França: extrema direita lidera pesquisas de inteções de votos com 33%; Macron tem 19%
Ordem para matar PM em Ananindeua partiu de facção, diz PC
Trio é preso em flagrante suspeito de vários arrastões em Parauapebas
Suspeitos de envolvimento em plano de sequestro de Sérgio Moro morrem em penitenciária de São Paulo
Para fazer no frio: receita e benefícios do mingau de aveia proteico
Next
Prev

Brasileiro vindo da Índia é suspeito de levar variante indiana para o DF

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal investiga a possibilidade de um passageiro que chegou a Brasília vindo da Índia estar contaminado com a versão B.1.617 do vírus que causa a covid-19, conhecida como 'variante indiana'. Além do Distrito Federal, também há suspeitas de infecção pela nova cepa no Ceará, no Pará e no Rio de Janeiro – além do Maranhão, onde já há casos confirmados de infecção pela mutação.

O caso do Distrito Federal foi detectado primeiro pela Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) do Ministério da Saúde, e depois confirmado pelas autoridades locais de Brasília. O passageiro é brasileiro mas mora na Índia, segundo o secretário de Saúde do DF, Osnei Okumoto. Ele veio para o Brasil a passeio, em um avião no qual havia uma pessoa diagnosticada com a variante indiana. O homem também fez escalas no Rio de Janeiro e no aeroporto de Guarulhos (SP) antes de chegar ao Distrito Federal.

Segundo Okumoto, o homem está isolado em casa. Ele foi visitado por profissionais da secretaria de Saúde do DF, que o examinaram e colheram material para um teste do tipo RT-PCR. O homem está assintomático, e os resultados do teste para determinar se ele está contaminado ou não devem sair nesta terça-feira, dia 25.

Até o momento não há registro de casos da variante indiana em Brasília, segundo o governo do Distrito Federal comandado por Ibaneis Rocha (MDB). Por ora, o governo local não aplicará qualquer barreira para tentar evitar a chegada da nova variante.

No sábado, o Ministério da Saúde anunciou medidas para tentar conter o espalhamento da variante indiana da covid-19 no País. A pasta despachou 600 mil unidades de testes de antígenos para o Maranhão, onde já existem casos confirmados. O Estado também receberá 300 mil doses adicionais das vacinas da Pfizer e da AstraZeneca para reforçar a vacinação em alguns municípios, como Paço do Lumiar, Raposa e São José de Ribamar, além da capital São Luís. Além disso, haverá barreiras sanitárias em aeroportos, rodoviárias e algumas rodovias.

Ao todo, seis tripulantes de um navio cargueiro vindo da Malásia foram identificados com a 'variante indiana' no Maranhão, no fim da semana passada. Um deles está internado na UTI de um hospital privado de São Luís – os demais estão em quarentena no próprio navio. Ao menos 100 pessoas tiveram contato com os tripulantes infectados. Elas serão testadas e monitoradas, segundo o secretário de Saúde maranhense, Carlos Lula. O Ministério da Saúde disse estar ajudando no rastreamento dos contatos e no monitoramento dos infectados. O navio estava fretado pela mineradora Vale para o transporte de minério de ferro.

A variante B.1.617 parece possuir características que a tornam mais transmissível que outras cepas do coronavírus. Esta característica pode ter contribuído para o recente aumento de casos na Índia, local onde acredita-se que a nova cepa tenha surgido. Por causa destas características, ela foi classificada como uma "variante de preocupação global" pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Monitoramento

O Distrito Federal não é a única unidade da federação em que há suspeitas de infecção pela nova variante do coronavírus. Possíveis situações de contágio são investigadas em pelo menos outros três Estados: Rio de Janeiro, Ceará e Pará.

No Rio, a prefeitura de Campos dos Goytacazes está acompanhando o caso de um morador que voltou da Índia neste sábado, dia 22. Ele estava no país a trabalho, e já teve o diagnóstico de Covid-19 confirmado por um teste RT-PCR – ele desembarcou no aeroporto de Guarulhos. Ele está apresentando sintomas, como dor de cabeça e rouquidão. O homem está isolado e amostras estão sendo sequenciadas para saber se ele se contaminou com a variante indiana ou não.

Depois do Maranhão, o segundo Estado a investigar suspeitas da nova variante foi o Ceará. Trata-se de um cidadão indiano, tripulante de um navio mercante, que estava no porto de Pecém, na Região Metropolitana de Fortaleza. Ele testou positivo para a doença, sem contudo apresentar sintomas da doença. Uma amostra foi enviada para sequenciamento genético, de modo a determinar de qual variante se trata.

No Pará, a Secretaria de Saúde investiga dois casos suspeitos de infecção pela nova variante, no município de Primavera, a 193 quilômetros da capital Belém. Os pacientes teriam vindo do litoral do Maranhão. Eles já estão em isolamento, e amostras extraídas dos dois foram enviadas para serem sequenciadas no Instituto Evandro Chagas.

*Com Informações Notícias ao Minuto

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM