Últimas Notícias
Três pessoas são presas em operação contra o tráfico de drogas no Acará
Com bela atuação, seleção masculina derrota Sérvia por 3 sets a 1 na Liga das Nações de Vôlei
Noiva surpreende e distribui doces para alunos de academia em Capitão Poço, no Pará; assista
Departamento de Estado dos EUA aprova possível venda de helicópteros Black Hawk ao Brasil, diz Pentágono
Milton Neves se desculpa após postar foto fake de Jojo Todynho nua; ouça
Justiça concede divórcio de Ana Hickmann e Alexandre Correa
Polícia prende homem que atacou acampamento pró-Palestina por agressão
Jogador de destaque na La Liga atuou com caco de vidro no pé por dois anos; entenda
Aviões militares chineses cruzam Estreito de Taiwan, diz defesa taiwanesa
CRM anuncia 'medidas cabíveis' após médico expulsar mãe e filho autista de consultório em Belém
Copa América contará com mulheres no apito pela 1ª vez na história e terá 11 brasileiros
Paraense de Capanema compartilha vida no Japão e diferenças de preços em alimentação; assista
Conflito em Gaza: relembre propostas do Brasil para fim da guerra
CNU: adiamento da prova serve para focar na preparação, dizem professores
Embaixador brasileiro não voltará ao cargo após ser humilhado em Israel, diz Celso Amorim
Next
Prev

Cirurgia feita pelo Papa Francico é comum, mas tem riscos

O tipo de cirurgia a que se submeteu o papa Francisco neste domingo, 4, é considerada comum principalmente em pacientes mais velhos, mas apresenta riscos, afirmam especialistas.

A estenose diverticular, espécie de estreitamento no intestino, apresenta diversas manifestações clínicas. O envelhecimento do tecido leva ao aparecimento de pequenas bolsas, os divertículos, que são pontos de fraqueza. Pode não ter nenhum sintoma associado, mas se há evolução, o paciente tem dificuldade para evacuar, alteração nas fezes e aumento de riscos de obstrução intestinal.

Paulo Gustavo Kotze, coloproctologista dos hospitais Marcelino Champagnat e Universitário Cajuru, de Curitiba, também explica que a doença pode evoluir para uma inflamação maior, a diverticulite. "Ocorre quando há muitas perfurações dessas bolsinhas. A depender de seu grau, pode causar infecções mais severas, como uma perfuração maior que leva à peritonite, uma inflamação geral", afirma.

Kotze explica ainda que toda cirurgia no intestino grosso é considerada de média para alta complexidade. "Quando temos uma junção intestinal, é possível ter risco de vazamento, ou infecção local pós-operatória."

Recuperação

A cirurgia laparoscópica, menos invasiva, apresenta a melhor condição de recuperação. O paciente geralmente sente menos dor, e recupera as funções vitais mais rápido. Já a cirurgia aberta pode trazer dor associada, por ter trauma local maior, explicam os especialistas. O Vaticano não informou ontem qual foi o tipo de procedimento realizado.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Notícia ao Minuto

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM