Últimas Notícias
Dirigentes do Remo teriam procurado atleta do Águia antes da partida, revela executivo marabaense
Polícia Civil cumpre mandados de busca e apreensão contra receptação de celulares, em Marabá
Podzão debate empate do Paysandu e recuperação do Remo no Parazão; assista
Marcílio Dias x Vasco: onde assistir ao vivo e horário do jogo hoje (27) pela Copa do Brasil
Seduc divulga critérios para participação no programa ‘Bora Estudar’
PF captura três foragidos condenados por crimes sexuais no Pará
Em onda de violência, população do Equador sofre com abusos militares
Homem furta refletor de obra do BRT na BR-316, em Ananindeua; assista
Sebrae oferece capacitação a empreendedores do turismo local
Paysandu inicia venda de ingressos para partida contra o Castanhal, pelo Parazão
Joe Biden diz que informação sobre apoio de Taylor Swift é “confidencial”
FPF define data e horário da última rodada da primeira fase do Parazão; confira
Frutas brasileiras previnem doenças crônicas e problemas no intestino, diz estudo
BR-316 passa por intervenções nos dois sentidos da via até a próxima sexta (1º); veja as alterações
Ministro diz que é "falácia" envio de ativos russos para Ucrânia
Next
Prev

Covid-19: número de casos segue crescendo; mortes ficam estáveis

Os novos casos de covid-19 no Brasil seguem trajetória de aumento dentro da margem de estabilidade. É o que mostra o novo boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, que analisa a Semana Epidemiológica 20, de 16 a 22 de maio.

O número de novos diagnósticos confirmados teve acréscimo de 5%. Na Semana Epidemiológica 20, foram registrados 460.905 novos casos, contra 440.655 na semana anterior. A média móvel de casos (total no período divido por sete dias) ficou em 65.844.

O resultado marcou a continuidade do avanço da curva de casos, consolidando a reversão do movimento de queda, iniciada há algumas semanas. A redução dos novos diagnósticos positivos de covid-19 foi iniciada em março, apenas com um revés na Semana Epidemiológica 13.

Os boletins epidemiológicos do Ministério da Saúde sobre o novo coronavírus reúnem a avaliação da pasta sobre a evolução da pandemia, considerando as semanas epidemiológicas, tipo de medição empregada por autoridades de saúde para essas situações.

Já o número mortes ficou praticamente estável, com oscilação positiva de 1%. Na Semana Epidemiológica 20, foram registradas 13.493 vidas perdidas para a pandemia, enquanto na semana anterior o boletim epidemiológico do Ministério da Saúde trouxe 13.399 óbitos.

Embora o resultado seja uma marca de estabilidade, ele representa uma interrupção na trajetória de queda na curva de óbitos, que havia tido reduções de 10% e 12%, respectivamente, nos boletins epidemiológicos anteriores. A média móvel de mortes na semana analisada baixou dos 2 mil, ficando em 1.928.

De acordo com o boletim epidemiológico, 15 estados tiveram incremento de casos na Semana Epidemiológica 20, cinco mais o Distrito Federal permaneceram estáveis e seis tiveram redução. As maiores ampliações se deram no Mato Grosso do Sul (37%) e Roraima (26%). Já as quedas mais intensas ocorreram no Rio Grande do Norte (-58%) e no Rio de Janeiro (-20%).

Quando consideradas as mortes, o número de estados com acréscimo nas curvas chegou a oito, enquanto 11 ficaram estáveis e sete mais o DF registraram quedas em relação ao balanço da semana anterior. Os aumentos mais expressivos ocorreram no Ceará (40%), em Roraima e no Amapá (24%). As quedas mais efetivas foram registradas no Distrito Federal (-28%) e Acre (-22%)

A Índia foi novamente o país com mais registros de novas mortes. Na semana analisada, foram 28.982 novos óbitos. O Brasil mantém a 2ª colocação (13.493). Em seguida vêm os Estados Unidos (3.895), a Colômbia (3.448) e a Argentina (3.435). Quando considerados os números referentes a todo o período de pandemia, o Brasil segue na 2ª posição, atrás dos Estados Unidos (589.703). Quando consideradas as mortes por 1 milhão de habitantes, o Brasil fica na 7ª colocação.

A Índia também é a campeã em novos casos, tendo 1.846.055 na semana analisada. O Brasil ocupou a 2ª colocação no ranking de casos, seguido pela Argentina (223.748), Estados Unidos (180.902) e Colômbia (107.959). Na comparação com os números registrados durante todo o surto sanitário, o Brasil fica na 3ª posição, atrás dos EUA (33,1 milhões) e Índia (26,5 milhões). Na comparação proporcional, por 1 milhão de habitantes, o Brasil ocupa a 22ª posição.

*Com Informações Notícias ao Minuto

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM