Últimas Notícias
Receita Federal apreende equipamentos médicos clandestinos no Aeroporto de Guarulhos
Uruguai decreta emergência agropecuária no leste por excesso hídrico
Jovem é decapitada durante acidente de trânsito em Paragominas, sudeste paraense
Homem é preso suspeito de transportar entorpecentes dentro de rede, em Juruti
Tornado nos EUA mata cinco e devasta estado de Iowa
Petrobras: Comitê de Pessoas diz que Magda Chambriard preenche requisitos para comandar empresa
Em Belém, Alckmin anuncia que ‘Brasil será oitava economia do mundo até o fim de 2024’; assista
Entenda a diferença entre 1º e 2º turnos e o que leva uma eleição para 2º turno
Demapa investiga morte de 7 gatos por suposto envenenamento em Belém
Devotos lotam Paróquia em celebração de Santa Rita de Cássia no bairro de Canudos, em Belém; assista
Egito ameaça deixar de ser mediador de acordo para cessar-fogo em Gaza
Marido de cantora gospel brasileira é preso nos EUA por abuso sexual contra criança 
Com mudanças na defesa, Paysandu está escalado para a final da Copa Verde contra o Vila Nova-GO
Alepa aprova Projeto que altera o Programa Estadual de Transporte Escolar no Pará
Mortos pela chuva no RS chegam a 162, diz Defesa Civil
Next
Prev

Dólar zera perdas do ano e fecha a R$ 5,20

Em um dia de nervosismo no mercado financeiro, o dólar teve forte alta e zerou as perdas do ano, influenciado por fatores domésticos e externos. A bolsa de valores caiu e fechou no menor nível desde o fim de maio.

O dólar comercial encerrou esta terça-feira (6) vendido a R$ 5,209, com alta de R$ 0,121 (+2,39%). A cotação subiu durante toda a sessão, fechando próxima dos valores máximos do dia.

Em alta pela sexta sessão seguida, o dólar teve a maior valorização para um dia desde 18 de setembro do ano passado, quando subiu 2,79%. A divisa acumula alta de 4,74% em julho e registra valorização de 0,38% em 2021.

No mercado de ações, o dia também foi marcado pela tensão. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 125.095 pontos, com recuo de 1,44%. O indicador está no menor nível desde 27 de maio e acumula perda de 1,34% em julho.

Diversos fatores pressionaram o mercado nesta terça-feira. A escalada de casos de covid-19 provocados pela variante delta do novo coronavírus levou pessimismo ao mercado. Paralelamente, os investidores aguardam a divulgação da ata da última reunião do Federal Reserve o Banco Central dos Estados Unidos, prevista para amanhã (7), para terem um indicativo de quando a autoridade monetária começará a retirar os estímulos para a maior economia do planeta.

Um impasse na Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) aumentou o nervosismo no mercado externo. A reunião da Opep foi cancelada por falta de acordo entre os membros em relação ao preço do petróleo. No Brasil, as tensões políticas e a divulgação de que a produção industrial caiu em maio influenciaram as negociações.

Fonte: Notícias ao Minuto

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM