Últimas Notícias

Em ano eleitoral, Governo federal aumenta em 427% valor gasto com emendas parlamentares

O Governo Federal aumentou em 427% o volume de recursos destinados ao pagamento de emendas parlamentas, de janeiro a 5 de julho deste ano, em comparação com mesmo período do ano passado. É o que aponta um levantamento feito pela Revista Oeste. Neste ano de 2024, quando ocorrem as eleições municipais, o volume de pagamento de emendas parlamentares já alcança R$ 23,08 bilhões. 

Pela legislação eleitoral, esses pagamentos só podem ser realizado em até três meses antes da eleição, que neste ano ocorre 6 de outubro de 2024, para escolha de prefeitos e vereadores. Após o pleito, a transferência voluntária de recursos pelo governo pode ser retomada. 

No Orçamento de 2024, há a previsão de R$ 49,17 bilhões para pagamentos de emendas parlamentares, enquanto no de 2023 esse valor era de R$ 35,84 bilhões. Ou seja, até o dia 5 de julho, quase 47% do valor total do ano foi desembolsado, contra 12% do mesmo período em 2023, que foi R$ 4,38 bilhões. 

VEJA MAIS



Câmara dos deputados debate uso de emendas parlamentares para combater desastres climáticos
Governadores e prefeitos participarão do encontro. Desastres naturais como tempestades, inundações, enxurradas e alagamentos atingiram 5.199 municípios brasileiros


image

Congresso mantém veto de Lula a calendário de emendas após Planalto acelerar liberação de verba
O Palácio do Planalto conseguiu fazer um acordo com os deputados e senadores após acelerar a liberação dos recursos de emendas, que são cruciais para os parlamentares irrigarem suas bases eleitorais em ano de disputas por prefeituras e vagas em câmaras de vereadores.


image

Emendas parlamentares precisam ser moderadas, diz Beto Faro, novo líder do PT no Senado
Nascido em Bujaru (PA), Beto Faro foi eleito senador pela primeira vez em 2022, com 1.781.562 votos. Anteriormente, foi deputado federal por quatro mandatos consecutivos

As emendas parlamentares permitem que os deputados federais e senadores destinem recursos públicos para municípios, Estados, obras específicas e locais de suas bases eleitorais. Elas podem ser divididas em três tipos:

Individuais: de autoria direta de um parlamentar. Podem ter finalidade definida, ou não possui finalidade prévia – que são as chamadas “emendas Pix”. Nesse caso, o Estado ou município que recebe o dinheiro decide como destinar a verba, sem necessidade de informação ao governo federal. Nas emendas individuais, o pagamento pelo governo é obrigatório, mas não imediato.

De bancada: indicadas por bancadas estaduais do Congresso. Nas emendas de bancada, o pagamento também é obrigatório, mas não imediato.

De comissão: indicadas pelas comissões técnicas da Câmara e do Senado. 

 

Com Informações de O LIberal

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM