Últimas Notícias
Três pessoas são presas em operação contra o tráfico de drogas no Acará
Com bela atuação, seleção masculina derrota Sérvia por 3 sets a 1 na Liga das Nações de Vôlei
Noiva surpreende e distribui doces para alunos de academia em Capitão Poço, no Pará; assista
Departamento de Estado dos EUA aprova possível venda de helicópteros Black Hawk ao Brasil, diz Pentágono
Milton Neves se desculpa após postar foto fake de Jojo Todynho nua; ouça
Justiça concede divórcio de Ana Hickmann e Alexandre Correa
Polícia prende homem que atacou acampamento pró-Palestina por agressão
Jogador de destaque na La Liga atuou com caco de vidro no pé por dois anos; entenda
Aviões militares chineses cruzam Estreito de Taiwan, diz defesa taiwanesa
CRM anuncia 'medidas cabíveis' após médico expulsar mãe e filho autista de consultório em Belém
Copa América contará com mulheres no apito pela 1ª vez na história e terá 11 brasileiros
Paraense de Capanema compartilha vida no Japão e diferenças de preços em alimentação; assista
Conflito em Gaza: relembre propostas do Brasil para fim da guerra
CNU: adiamento da prova serve para focar na preparação, dizem professores
Embaixador brasileiro não voltará ao cargo após ser humilhado em Israel, diz Celso Amorim
Next
Prev

Em boa fase, mesa-tenista Jessica Yamada quer chegar longe em sua 1ª Olimpíada

Aos 31 anos, Jessica Yamada vai realizar um sonho: disputar a sua primeira Olimpíada da carreira. A atleta do tênis de mesa vem de uma grande temporada com seus clubes na Espanha e na Suécia, com direito a três finais e um título. Por isso, seu sentimento é de confiança. Mas também é de cautela. Com toda sua experiência, ela aposta no passo a passo para avançar nos Jogos de Tóquio-2020, atuando em um país muito importante para o seu desenvolvimento.

Os resultados de Jessica Yamada na última temporada são retratos de seu crescimento esportivo. Na Espanha, onde defendeu o Reus Ganxets Miró, conquistou a Copa da Rainha e ficou com o vice-campeonato da Superdivisão Feminina. Já na Suécia, com o Köpings, também chegou na final da liga local, terminando com a medalha de prata. Tais experiências, somadas com seu período anterior jogando na França, moldaram a representante olímpica do tênis de mesa brasileiro.

"Sinto que estou preparada. Esse período na Europa foi muito positivo, consegui fazer jogos muito bons, muito duros e bem equilibrados. Isso, para mim, é muito importante. Acredito que esses jogos, que são decididos no detalhe, podem fazer a gente ter mais confiança e poder tomar melhores decisões, o que é muito importante no alto nível. Qualquer detalhe pode ser a diferença do ganhar ou perder", destacou.

A pouco menos de um mês para o início dos Jogos Olímpicos, seu foco é total para chegar a Tóquio bem preparada. Ela está com o grupo da seleção feminina, que está concentrado no Centro Paralímpico Brasileiro, em São Paulo, e que depois treinará em Hamamatsu, no Japão, onde fará o período de aclimatação. É neste momento em que a experiência pesa: antes de projetar o futuro, Jessica prefere focar em seus adversários e construir seu caminho olímpico passo a passo.

"Conheço as atletas que vão participar e sei que o nível é muito alto. Tenho que pensar jogo por jogo, o que eu tenho que fazer em cada rodada, passo a passo e conquistando resultados. Se eu ficar pensando lá na frente, com certeza não vou me preparar muito bem para o primeiro jogo, uma estreia importante", afirmou.

Agora, em 2021, seu objetivo é chegar longe. E ela acredita que pode conseguir. Com histórico de boas partidas internacionais contra adversárias de alto nível, ela crê em uma participação bem maior do que apenas uma partida em Tóquio. "Se Deus quiser, vou passar em muitas fases. É um evento muito grande e que não tem atleta ruim, todo mundo é bom. E espero ir bem longe com isso", finalizou.

*Com Informações Notícias ao Minuto

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM