Últimas Notícias
Caminhonete naufragada há dois meses é encontrada no Rio Xingu, no Pará
Ucrânia documentou mais de 300 casos de violência sexual das tropas russas
MP oferece denúncia contra PM da reserva que atirou em torcedor do Remo
Ministra da Segurança da Argentina visita maior presídio das Américas no Equador
Chefe da Otan quer armas nucleares de prontidão para se proteger de ofensiva da Rússia
Torneio ‘Amazônia Cup Internacional de Jiu-Jitsu’ reúne 2 mil competidores no Mangueirinho
Vídeo: Mbappé quebra o nariz durante jogo da Eurocopa
Paraense de oito anos celebra aniversário com tema de ‘Jacqueline Brazil’, repórter do tempo da TV Globo; assista
Luciano Huck critica PL do Aborto na TV e cobra Arthur Lira: ‘Criança não é mãe’
Filme live-action de Chico Bento ganha primeiro trailer; assista
Eleições na França: extrema direita lidera pesquisas de inteções de votos com 33%; Macron tem 19%
Ordem para matar PM em Ananindeua partiu de facção, diz PC
Trio é preso em flagrante suspeito de vários arrastões em Parauapebas
Suspeitos de envolvimento em plano de sequestro de Sérgio Moro morrem em penitenciária de São Paulo
Para fazer no frio: receita e benefícios do mingau de aveia proteico
Next
Prev

Em escassez de mão de obra, INSS pede mil funcionários ociosos da Infraero

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) negocia a transferência de mil trabalhadores da Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária) para auxiliar no atendimento a beneficiários da Previdência Social.

O órgão federal prevê um forte encolhimento do quadro de funcionários até o fim deste ano. O empréstimo dos funcionários da estatal do setor aéreo é uma solução para evitar que atividades que tratam da Previdência Social sejam comprometidas.

Em ofício enviado ao Ministério da Economia, o presidente do INSS, Leonardo Rolim, estima que, até dezembro, haverá uma "severa redução em sua força de trabalho", com o encerramento de 2.500 contratos temporários e quase 4.000 aposentadorias de servidores da carreira.

Desde 2016 até este ano, foi registrada uma diminuição de 10 mil funcionários no órgão. O quadro de pessoal do INSS caiu de 33 mil para 23 mil no período.

A escassez de funcionários foi apontada como uma das causas para o aumento da fila de espera para análise de pedidos de aposentadorias e benefícios da Previdência Social, entre 2019 e 2020.

Quando lhe foi perguntado sobre o assunto, o INSS afirmou que "a maioria dos empregados da Infraero deverá atuar nas atividades de apoio e no atendimento aos segurados" e, com isso, servidores da carreira de seguro social serão deslocados para as atividades específicas de análise dos requerimentos de benefícios para maior efetividade e celeridade na entrega dos serviços.

A negociação com a Infraero ocorre em meio à previsão de mais de 20 leilões de aeroportos e de redução das atividades da empresa pública. O governo busca uma solução para esses trabalhadores, que devem ser realocados.

A Infraero tem atualmente 7.600 empregados, dos quais 2.100 cedidos a outros órgãos. Para o INSS, são 251, de acordo com o balanço mais recente informado pela estatal responsável pela administração de aeroportos.

Sobre a transferência de quase mil funcionários ao INSS, a Infraero disse que isso dependerá de autorização da pasta de Paulo Guedes e que será feita de forma a não comprometer o funcionamento da estatal.

"A empresa trabalha em conjunto com os órgãos públicos interessados nos seus empregados no sentido de que a liberação dos funcionários ocorra de forma escalonada e atenda o compromisso da Infraero de manter as operações da sua rede de aeroportos até a transferência dos terminais para as empresas vencedoras dos leilões de concessão", afirmou a estatal, em nota.

A equipe econômica quer aprovar no Congresso uma reforma das regras do funcionalismo público, a chamada reforma administrativa. O objetivo é reduzir os custos com pessoal e, consequentemente, da máquina pública.

Guedes tem barrado a abertura de concursos públicos, em linha com a agenda liberal de corte de gastos. Mas, diante da redução no quadro, o INSS passa por um aperto, inclusive para bancar trabalhadores atualmente na ativa.

No ofício enviado ao Ministério da Economia, Rolim pede que o governo amplie a margem que o INSS tem para compensar a remuneração dos servidores que originalmente são de outras áreas do Executivo.

Quando um empregado público é cedido ao INSS, por exemplo, o salário é pago pelo órgão original, mas o INSS precisa pagar um reembolso desses valores.

Atualmente, a margem do INSS para essas compensações é de R$ 19,5 milhões. Porém, são necessários pelo menos R$ 57 milhões em 2021 para bancar os 478 funcionários de outros órgãos e que foram cedidos para compor a força de trabalho da Previdência Social.

Portanto, já há um déficit de verba de R$ 37,5 milhões –isso sem contar com a perspectiva de transferência de mais servidores ao INSS até o fim deste ano, que pode custar mais R$ 80,5 milhões.

O INSS não informou qual é o patamar ideal para que o órgão funcione e os serviços sejam devidamente prestados. "Encontram-se em andamento estudos para o dimensionamento da força de trabalho no âmbito da autarquia", afirmou.

Entre os 23 mil que hoje atuam no INSS, há servidores de carreira, temporários e aqueles cedidos por outros órgãos.

Até o fim deste ano, por causa do fim de contratos temporários e de aposentadorias, esse quadro de funcionários deve cair para 16,5 mil, o que, segundo integrantes do órgão, prejudicaria a prestação de serviços.

Entre 2019 e 2020, o INSS teve dificuldade em anali- sar a quantidade de pedidos de benefícios, que cresceram diante da digitalização dos processos.

No entanto, a redução do efetivo do órgão era um problema anunciado. O governo já contava com a queda no número de servidores ativos da autarquia em razão das aposentadorias.

Para solucionar o problema da fila de espera por benefícios, foi criada uma força-tarefa no início do ano passado, após duas tentativas fracassadas, em 2019 e em 2018, para acabar com o estoque de requerimentos sem resposta.

O plano do ano passado previu aumento temporário de funcionários no INSS por meio da contratação de militares e servidores aposentados.

Já em 2021, o problema foi mais focado na demora para analisar requerimentos de BPC –benefício assistencial pago a idosos e pessoas com deficiência carentes. Em janeiro, eram mais de 500 mil em atraso.

O INSS, então, anunciou uma operação entre fevereiro e março para que 1.400 funcionários trabalhassem de forma exclusiva na avaliação dos pedidos de BPC.

Fonte: Notícias ao Minuto

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM