Últimas Notícias
Wesley Safadão inicia show cantando ‘virote’ e agita casa do BBB 24; assista
Milei discursa na abertura do Congresso argentino e chama parlamentares de ‘casta’
Lula e Maduro tratam de eleições na Venezuela no segundo semestre
Milei diz que enviará novos projetos de reforma ao Congresso argentino e ameaça parlamentares
Geraldo Alckmin socorre profissional de imprensa que passou mal durante coletiva em Manaus
Centro de Controle de Zoonoses realiza feira de adoção de cães e gatos neste sábado, em Belém; confira local
Convocado para a Seleção Brasileira, meia Andreas recusou convite para defender a Bélgica
Pará registra crescimento de 35% em empregos formais para mulheres
Centroavante do Paysandu quer garantir liderança isolada em jogo contra o Castanhal
Tiago Leifert deixa canal esportivo após colega defender Daniel Alves
Eleições 2024: TSE publica regras sobre uso de Inteligência Artificial
Mais países pedem investigação sobre tragédia em Gaza
Maduro se reúne com Lula na Cúpula da Celac e diz que eleições na Venezuela estão garantidas
PM da reserva morre baleado na Zona Leste de São Paulo
Influenciador repercute na internet com versões paraenses de hits internacionais; assista
Next
Prev

Embrapa resgata hábitos tradicionais de tuiuiús afetados por queimadas

Um tradicional casal de tuiuiús, de Corumbá, em Mato Grosso do Sul, adotou um ninho artificial idealizado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). As aves costumavam se reproduzir anualmente em um ninho natural, no que já era uma atração turística da região. Além disso, o ninho era tombado pelo Patrimônio Histórico Natural. Mas ele foi destruído nas queimadas do ano passado. O Tuiuiú é uma ave símbolo do Pantanal, conhecido também como Jabiru.

O fogo destruiu, além do ninho original, às margens da BR-262, galhos que, estruturados, davam suporte ao ninho no ipê que ainda se mantém ao lado. Assim, a Embrapa ergueu uma estrutura formada por um poste de concreto de 12 metros com uma plataforma hexagonal de metal de dois metros de diâmetro no topo, em formato de taça. Essa plataforma precisaria comportar o volumoso material que os tuiuiús utilizam na construção de ninhos.

A estrutura levantada foi feita com material usado na construção de torres de redes de energia. “Sobre a plataforma, depositamos galhos e material fino para representar um ninho, na esperança de que o local fosse reconhecido pelos tuiuiús e utilizado como base para construção do novo ninho”, explicou Walfrido Tomás, pesquisador da Embrapa Pantanal e idealizador do projeto.

Acrescentou que, durante o trabalho de levantamento de animais mortos pelas queimadas, realizado no ano passado, ele observou diversas vezes tuiuiús pousados em árvores próximas ao ninho original, queimado cerca de um mês antes. Então, ele teve a ideia de instalar uma estrutura alternativa. “Assim os tuiuiús poderiam retornar, pois essas aves são fiéis ao local de nidificação”.

Após construído o novo ninho, em outubro do ano passado, ele foi monitorado pela Embrapa, que acompanhava a adaptação das aves ao ninho. Em janeiro, os tuiuiús começaram a se aproximar e pousar na árvore do ninho antigo. Em 16 de maio eles pousaram no novo ninho. Desde então, têm levado material para o novo ninho, como galhos e fibras vegetais mais finas.

Os tuiuiús se reproduzem após o período das cheias, quando o nível da água está baixando e os peixes e pequenos invertebrados, base da sua alimentação, ficam mais disponíveis nas baías e alagados, servindo de alimento para a espécie.

Uma vez construídos os ninhos, os tuiuiús permanecem fiéis ao local de reprodução, usando-o por muitos anos. Eles fazem reparos e melhorias nos ninhos. Eles podem ter mais de dois metros de diâmetro e são sempre colocados em grandes árvores com galhos abertos. Isso facilita a chegada das aves ao ninho com suas asas abertas, que podem ter três metros de uma ponta a outra.

Com informações da Agência Brasil

*Com Informações Notícias ao Minuto

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM