Últimas Notícias
Caminhonete naufragada há dois meses é encontrada no Rio Xingu, no Pará
Ucrânia documentou mais de 300 casos de violência sexual das tropas russas
MP oferece denúncia contra PM da reserva que atirou em torcedor do Remo
Ministra da Segurança da Argentina visita maior presídio das Américas no Equador
Chefe da Otan quer armas nucleares de prontidão para se proteger de ofensiva da Rússia
Torneio ‘Amazônia Cup Internacional de Jiu-Jitsu’ reúne 2 mil competidores no Mangueirinho
Vídeo: Mbappé quebra o nariz durante jogo da Eurocopa
Paraense de oito anos celebra aniversário com tema de ‘Jacqueline Brazil’, repórter do tempo da TV Globo; assista
Luciano Huck critica PL do Aborto na TV e cobra Arthur Lira: ‘Criança não é mãe’
Filme live-action de Chico Bento ganha primeiro trailer; assista
Eleições na França: extrema direita lidera pesquisas de inteções de votos com 33%; Macron tem 19%
Ordem para matar PM em Ananindeua partiu de facção, diz PC
Trio é preso em flagrante suspeito de vários arrastões em Parauapebas
Suspeitos de envolvimento em plano de sequestro de Sérgio Moro morrem em penitenciária de São Paulo
Para fazer no frio: receita e benefícios do mingau de aveia proteico
Next
Prev

Embrapa resgata hábitos tradicionais de tuiuiús afetados por queimadas

Um tradicional casal de tuiuiús, de Corumbá, em Mato Grosso do Sul, adotou um ninho artificial idealizado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). As aves costumavam se reproduzir anualmente em um ninho natural, no que já era uma atração turística da região. Além disso, o ninho era tombado pelo Patrimônio Histórico Natural. Mas ele foi destruído nas queimadas do ano passado. O Tuiuiú é uma ave símbolo do Pantanal, conhecido também como Jabiru.

O fogo destruiu, além do ninho original, às margens da BR-262, galhos que, estruturados, davam suporte ao ninho no ipê que ainda se mantém ao lado. Assim, a Embrapa ergueu uma estrutura formada por um poste de concreto de 12 metros com uma plataforma hexagonal de metal de dois metros de diâmetro no topo, em formato de taça. Essa plataforma precisaria comportar o volumoso material que os tuiuiús utilizam na construção de ninhos.

A estrutura levantada foi feita com material usado na construção de torres de redes de energia. “Sobre a plataforma, depositamos galhos e material fino para representar um ninho, na esperança de que o local fosse reconhecido pelos tuiuiús e utilizado como base para construção do novo ninho”, explicou Walfrido Tomás, pesquisador da Embrapa Pantanal e idealizador do projeto.

Acrescentou que, durante o trabalho de levantamento de animais mortos pelas queimadas, realizado no ano passado, ele observou diversas vezes tuiuiús pousados em árvores próximas ao ninho original, queimado cerca de um mês antes. Então, ele teve a ideia de instalar uma estrutura alternativa. “Assim os tuiuiús poderiam retornar, pois essas aves são fiéis ao local de nidificação”.

Após construído o novo ninho, em outubro do ano passado, ele foi monitorado pela Embrapa, que acompanhava a adaptação das aves ao ninho. Em janeiro, os tuiuiús começaram a se aproximar e pousar na árvore do ninho antigo. Em 16 de maio eles pousaram no novo ninho. Desde então, têm levado material para o novo ninho, como galhos e fibras vegetais mais finas.

Os tuiuiús se reproduzem após o período das cheias, quando o nível da água está baixando e os peixes e pequenos invertebrados, base da sua alimentação, ficam mais disponíveis nas baías e alagados, servindo de alimento para a espécie.

Uma vez construídos os ninhos, os tuiuiús permanecem fiéis ao local de reprodução, usando-o por muitos anos. Eles fazem reparos e melhorias nos ninhos. Eles podem ter mais de dois metros de diâmetro e são sempre colocados em grandes árvores com galhos abertos. Isso facilita a chegada das aves ao ninho com suas asas abertas, que podem ter três metros de uma ponta a outra.

Com informações da Agência Brasil

*Com Informações Notícias ao Minuto

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM