Últimas Notícias
Caminhonete naufragada há dois meses é encontrada no Rio Xingu, no Pará
Ucrânia documentou mais de 300 casos de violência sexual das tropas russas
MP oferece denúncia contra PM da reserva que atirou em torcedor do Remo
Ministra da Segurança da Argentina visita maior presídio das Américas no Equador
Chefe da Otan quer armas nucleares de prontidão para se proteger de ofensiva da Rússia
Torneio ‘Amazônia Cup Internacional de Jiu-Jitsu’ reúne 2 mil competidores no Mangueirinho
Vídeo: Mbappé quebra o nariz durante jogo da Eurocopa
Paraense de oito anos celebra aniversário com tema de ‘Jacqueline Brazil’, repórter do tempo da TV Globo; assista
Luciano Huck critica PL do Aborto na TV e cobra Arthur Lira: ‘Criança não é mãe’
Filme live-action de Chico Bento ganha primeiro trailer; assista
Eleições na França: extrema direita lidera pesquisas de inteções de votos com 33%; Macron tem 19%
Ordem para matar PM em Ananindeua partiu de facção, diz PC
Trio é preso em flagrante suspeito de vários arrastões em Parauapebas
Suspeitos de envolvimento em plano de sequestro de Sérgio Moro morrem em penitenciária de São Paulo
Para fazer no frio: receita e benefícios do mingau de aveia proteico
Next
Prev

IBGE atualiza mapeamento das informações ambientais

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) colocou no ar hoje (28) a atualização do Banco de Dados de Informações Ambientais (BDiA). A plataforma traz o mapeamento detalhado de todo o Brasil para a geologia (rochas), geomorfologia (relevo), pedologia (tipos de solo) e vegetação.

A plataforma de visualização e consulta às informações geoespaciais ambientais do instituto foi lançada em dezembro de 2018 e agora a ferramenta contém novos dados de análise dos solos e funcionalidades para facilitar a visualização e interpretação das informações.

Segundo a analista do IBGE responsável pelo BdiA, Marta Minussi Franco, uma das novidades é o detalhamento das subprovíncias, com dados além do tempo geológico. Com isso, é possível saber mais sobre a origem das formações rochosas de cada área específica.

“Dentre as novidades que estamos disponibilizando estão dados de análise físico-químicas e morfológicas dos solos, oriundas do Projeto RadamBrasil, além de um novo nível de detalhamento na geologia, que são as subprovíncias estruturais”.

De acordo com o IBGE, o Radam foi criado em 1970 na Amazônia, com o objetivo de fazer o mapeamento e o levantamento de recursos naturais da região. Depois de cinco anos, ele foi expandido para todo o território nacional, quando passou a ser chamado de RadamBrasil. O IBGE incorporou o acervo técnico e o corpo de profissionais do projeto em 1985.

Entre as ferramentas do portal, Marta explica que links para os metadados de cada camada de informação facilitam a navegação e o acesso às informações.

“Na primeira versão da plataforma BDiA, para que o usuário tivesse acesso aos metadados, era necessário acessar o sistema de Metadados Geocientíficos e então realizar a busca pelo termo desejado, relacionado ao tema visualizado. Agora, o acesso ao metadado foi disponibilizado em cada camada de informação, facilitando o entendimento do histórico do dado geoespacial, bem como as etapas do processo de produção e seus insumos”.

O geólogo Pedro Edson Bezerra, gerente de Recursos Naturais do IBGE no Pará, explica que as informações disponibilizadas agora possibilitam entender melhor a dinâmica da formação das regiões continentais.

“As subprovíncias estruturais agrupam as rochas de acordo com a sua origem e evolução, e são a representação espacial dos eventos geológicos relacionados à dinâmica interna da Terra, envolvendo a formação de continentes e oceanos durante os últimos 4,5 bilhões de anos de sua história. Por exemplo, as subprovíncias cujas rochas sustentam as serras do Mar e da Mantiqueira são produtos de um processo tectônico que envolveu a abertura e fechamento de oceano, e a colisão continental, há cerca de 600 milhões de anos, e que resultou na constituição do supercontinente Gondwana”.

O IBGE informa que o banco de dados foi atualizado para a versão mais recente do Sistema Brasileiro de Classificação dos Solos (SiBCS). Entre as ferramentas disponíveis na plataforma estão a possibilidade de navegar pelos temas e seus diferentes níveis de classificação; realizar consultas espaciais por estados, municípios e biomas; exportar as bases de dados em formato vetorial e as estatísticas relacionadas em formato tabular; consultar um dicionário de conceitos dos termos técnicos e siglas; e importar outras bases de dados disponíveis em geosserviço.

No módulo para consulta em grade estatística, é possível pesquisar os diferentes temas do mapeamento, integrados com outros produtos do IBGE como o Monitoramento de Cobertura e Uso da Terra.

Entre os aperfeiçoamentos dessa nova versão estão a atualização das informações e descrições das Unidades Geológicas; a delimitação das subprovíncias estruturais em subdomínios tectônicos; adição de 51.757 pontos com descrições de afloramentos; atualização das regiões geomorfológicas; 450 novos pontos de vegetação; 3.110 pontos de vegetação com atributos descritivos atualizados; e a atualização dos recortes estaduais e municipais.

Fonte: Notícias ao Minuto

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM