Últimas Notícias
Seduc divulga critérios para participação no programa ‘Bora Estudar’
PF captura três foragidos condenados por crimes sexuais no Pará
Em onda de violência, população do Equador sofre com abusos militares
Homem furta refletor de obra do BRT na BR-316, em Ananindeua; assista
Sebrae oferece capacitação a empreendedores do turismo local
Paysandu inicia venda de ingressos para partida contra o Castanhal, pelo Parazão
Joe Biden diz que informação sobre apoio de Taylor Swift é “confidencial”
FPF define data e horário da última rodada da primeira fase do Parazão; confira
Frutas brasileiras previnem doenças crônicas e problemas no intestino, diz estudo
BR-316 passa por intervenções nos dois sentidos da via até a próxima sexta (1º); veja as alterações
Ministro diz que é "falácia" envio de ativos russos para Ucrânia
Suspeitos entram em academia para roubar aluno em Fortaleza (CE); veja vídeo
Internautas do Roma News apostam na saída de Rodriguinho do BBB24
Professor é morto a tiros ao desembarcar em rodoviária de Parauapebas
Athletic Club x Volta Redonda: onde assistir ao vivo e horário do jogo hoje (27) pela Copa do Brasil
Next
Prev

Inflação do aluguel tem maior alta em 25 anos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O IGP-M (Índice Geral de Preços Mercado), conhecido como inflação do aluguel, subiu 4,10% em maio e acumulou alta de 37,04% no período de 12 meses, informou nesta sexta-feira (28) a FGV (Fundação Getulio Vargas).

A variação mensal de 4,10% é a maior observada desde novembro de 2002. Considerando a taxa acumulada em um ano, é a maior desde junho de 1995. Em abril, o IGP-M havia desacelerado graças a uma redução dos preços de combustíveis.

O resultado ficou ligeiramente acima da variação mensal de 4% e dos 36,91% no acumulado em 12 meses projetados por analistas ouvidos pela Bloomberg.

A variação do IGP-M de maio terá efeito sobre os contratos de locação com vencimento em junho. Caso os proprietários decidam aplicar integralmente o reajuste, um aluguel que hoje está em R$ 2.000 passará a custar R$ 2.740,8 no pagamento do mês de julho.

Segundo a FGV (Fundação Getúlio Vargas), os preços de commodities negociadas em dólar voltaram a pressionar a inflação ao produtor, um dos três componentes do IGP-M. Para chegar ao índice, a FGV faz uma média das variações de preços ao consumidores, aos produtores e à construção civil.

O IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo) avançou 5,23% em maio. A maior influência veio do ciclo de aumentos do minério de ferro. De um recuo de 1,23%, em abril, ele subiu 20,64% neste mês.

Também pesaram no índice a cana de açúcar (18,65%) e o milho (10,48%). André Braz, coordenador dos índices de preços da FGV, diz que esses produtos, juntos, responderam por 62,9% da variação do IPA em maio.

Essas commodities integram o grupo de matérias-primas brutas, um dos integrantes da inflação do atacado. Em abril, elas tiveram alta de 1,28%. Neste mês, o salto foi de 10,15%.

O IPA corresponde a 60% da composição do IGP-M. Em 12 meses, ele acumula variação de 50,21%, a maior desde junho de 1995, quando variou 62,79%.

No IPC (Índice de Preços ao Consumidor), cinco das oito classes de despesas tiveram variação positiva em maio. A maior influência veio dos gastos com habitação, devido à alta da tarifa de energia elétrica. De um avanço de 0,06% em abril, a conta de luz saltou 4,38% em maio, na participação nos orçamentos familiares.

O outro componente do IGP-M, o INCC (Índice Nacional de Custo da Construção Civil) registrou alta de 1,80%. Todos os três componentes do índice, que são materiais e equipamentos, serviços e mão de obras tiveram variação positiva em maio.

Segundo a FGV, a alta acumulada entre materiais, equipamentos e serviços é de 27,02%. Em maio, as principais pressões sobre a inflação da construção vêm de tubos e conexões de ferro e aço -variação mensal de 9,40%- e de PVC, com alta de 5,37%.

Fonte: Notícias ao Minuto

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM