Últimas Notícias

Mais países pedem investigação sobre tragédia em Gaza

Pelo menos 115 pessoas morreram e outras 760 ficaram feridas depois que as forças israelenses abriram fogo enquanto civis palestinos esperavam por comida na quinta-feira, de acordo com o Dr. Ashraf al-Qidra, porta-voz do ministério da saúde palestino em Gaza, controlado pelo Hamas.

É uma das tragédias mais mortíferas em Gaza desde que a guerra de Israel contra os militantes do grupo começou, em 7 de outubro.

Há agora cada vez mais pedidos para uma investigação independente sobre o caso. As Nações Unidas afirmaram que é necessária uma investigação independente para estabelecer os fatos, e países como a França e a Alemanha apoiaram esse pedido.

Aqui estão as atualizações sobre o assunto

O que aconteceu

Um comboio de pelo menos 18 caminhões chegou ao norte de Gaza na manhã de quinta-feira (29), enviado por vários países da região. Civis palestinos se reuniram em torno dos veículos de ajuda recém-chegados na esperança de conseguir comida, e as forças israelenses logo começaram a atirar, disseram testemunhas. Os caminhões de ajuda tentaram sair da área, atropelando acidentalmente outros e causando mais mortes e feridos, disseram testemunhas à CNN.

Os militares israelenses fizeram um relato diferente das circunstâncias. Em uma atualização na quinta-feira, eles disseram que os tanques israelenses dispararam tiros de advertência para dispersar a multidão em torno do comboio de ajuda, depois de verem que as pessoas estavam sendo pisoteadas.

Pedidos de investigação

Na sexta-feira (1), a Casa Branca disse que os EUA pediram a Israel que investigasse a tragédia. A Alemanha também exigiu a Israel uma “investigação exaustiva” sobre as mortes.

A França disse que apoiaria o pedido das Nações Unidas para uma investigação independente. O ministro francês dos Negócios Estrangeiros classificou os acontecimentos em Gaza como “indefensáveis”.

O que o caso pode significar para a guerra

As mortes acontecem em um momento crítico para o conflito, colocando em risco as negociações entre Israel e o Hamas sobre um acordo para um cessar-fogo temporário e a permissão da entrada de ajuda humanitária em Gaza.

O membro sênior do Hamas, Izzat Al-Risheq, alertou que a morte de pessoas que buscavam ajuda em caminhões em Gaza poderia levar ao fracasso das negociações em andamento.

Autoridades dos EUA disseram na sexta-feira que não há indicações de que as discussões tenham sido significativamente prejudicadas – mas muito depende de uma resposta esperada do Hamas ao que foi discutido em Paris e Doha na semana passada entre os outros países envolvidos: Catar, Egito, Israel e os Estados Unidos.

Situação humanitária grave

Mais de meio milhão de pessoas em Gaza estão à beira da fome, alertaram as agências das Nações Unidas no início desta semana, à medida que a guerra se aproxima da marca dos cinco meses.

A ajuda tem sido tão escassa que, quando disponível, muitas vezes provoca pânico. A ONU informou na sexta-feira que pelo menos 10 crianças palestinas morreram de fome em Gaza e esse número deverá aumentar.

Dimuição do fluxo de ajuda

A passagem de Rafah, onde a maior parte da ajuda foi entregue para Gaza, funciona agora a um ritmo reduzido, e a passagem alternativa de Kerem Shalom em Israel está bloqueada por manifestantes que pedem a libertação dos reféns detidos pelo Hamas .

Os militares jordanianos fizeram três lançamentos aéreos de ajuda em partes da cidade de Gaza na sexta-feira e o presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou que os EUA também farão seus próprios lançamentos aéreos de suprimentos nos próximos dias.

Fonte: CNN Brasil

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM