Últimas Notícias
Seduc divulga critérios para participação no programa ‘Bora Estudar’
PF captura três foragidos condenados por crimes sexuais no Pará
Em onda de violência, população do Equador sofre com abusos militares
Homem furta refletor de obra do BRT na BR-316, em Ananindeua; assista
Sebrae oferece capacitação a empreendedores do turismo local
Paysandu inicia venda de ingressos para partida contra o Castanhal, pelo Parazão
Joe Biden diz que informação sobre apoio de Taylor Swift é “confidencial”
FPF define data e horário da última rodada da primeira fase do Parazão; confira
Frutas brasileiras previnem doenças crônicas e problemas no intestino, diz estudo
BR-316 passa por intervenções nos dois sentidos da via até a próxima sexta (1º); veja as alterações
Ministro diz que é "falácia" envio de ativos russos para Ucrânia
Suspeitos entram em academia para roubar aluno em Fortaleza (CE); veja vídeo
Internautas do Roma News apostam na saída de Rodriguinho do BBB24
Professor é morto a tiros ao desembarcar em rodoviária de Parauapebas
Athletic Club x Volta Redonda: onde assistir ao vivo e horário do jogo hoje (27) pela Copa do Brasil
Next
Prev

Ministro da Educação defende menor regulação do ensino superior privado

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O ministro da Educação, Milton Ribeiro, defendeu nesta quinta-feira (27) a redução de regras de regulação do ensino superior privado. Segundo ele, o país ganharia mais se tivesse uma "secretaria de desregulamentação" do setor.

"O MEC foi, com o tempo, se transformando num verdadeiro cartório, com várias instâncias, vários carimbos, várias avaliações, e hoje ainda sofro com isso. Eu queria simplificar mais", disse o ministro na abertura do 13º Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular, que ocorre de forma online.

O evento é voltado para controladores de instituições de ensino superior. O setor é favorável à simplificação das regras.

"Nós temos uma secretaria de Regulamentação [do ensino superior]. Gostaria que o MEC, um dia, tivesse uma secretaria de desregulamentação. Essa, sim, seria interessante para o Brasil de uma maneira muito, muito direta. Mas, enfim, vamos trabalhando naquilo que a lei nos impõe".

Pela legislação atual, cabe ao MEC liderar um sistema de avaliação de qualidade, supervisão e autorização de cursos superiores no país. O processo inclui o Enade (avaliação feita por alunos), e análises da oferta escolar, como infraestrutura. Essas informações são a base para o credenciamento de cursos e instituições de ensino.

A Folha revelou no início do mês que Ribeiro atuou nos bastidores a favor de um centro universitário particular denunciado por fraude no Enade 2019. A Unifil, de Londrina (PR), é presbiteriana assim como o ministro, que é pastor.

Ribeiro protelou o envio do caso à Polícia Federal, recebeu os controladores da instituição, viajou duas vezes a Londrina no meio do processo e determinou que seu próprio secretário de Regulação acompanhasse uma visita de supervisão -que absolveu a instituição.

Ele ainda teria ameaçado de demissão lideranças do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) caso a investigação fosse levada à PF. Na época, Alexandre Lopes presidia o órgão.

O Inep é responsável pelo Enade e outras etapas da avaliação do ensino superior. Após a demissão de Lopes, o ministro nomeou para o cargo Danilo Dupas Ribeiro -ele era o secretário de Regulação que foi à Unifil participar da supervisão.

No evento desta quinta, Milton Ribeiro afirmou que a legislação sobre o assunto seria muito rígida, como se ela partisse do pressuposto de que as instituições estivessem sempre erradas.

"Não acredito que todos empresários da educação estejam sempre prontos a burlar a lei, que todos são culpados", disse. "Estamos trabalhando a médio a longo prazo para simplificar a vida dos senhores que querem prestar um serviço para a nação brasileira. E é um trabalho que não é fácil, é muito regulamentado, e a gente precisa simplificar".

O ministro ressaltou a criação de um sistema que substitui visitas presenciais por procedimento online. É nessas visitas, feitas pelo Inep, que os avaliadores podem mensurar a infraestrutura oferecida nos cursos.

A redução de exigências para o setor tem sido uma marca do governo Bolsonaro. Em 2019, o ex-ministro Abraham Weintraub já havia dito que pretendia relaxar essas regras. Sob sua gestão, o governo ignorou regras para aprovar uma pós-graduação da Unisa, de São Paulo, então controlada por um aliado de Weintraub.

O empresário Antônio Veronezi, que controlava a Unisa, morreu de Covid. Ele foi homenageado por Milton Ribeiro no evento desta quinta.

O setor privado concentra 76% dos alunos de ensino superior no país. Segundo a última edição dos indicadores de qualidade de faculdades e universidades, apenas 29 instituições privadas conseguiram nota máxima -o que representa 2% das 1.822 instituições desse tipo avaliadas.

Por outro lado, 7% das instituições públicas conseguiram esse desempenho (18 de 245 avaliadas).

*Com Informações Notícias ao Minuto

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM