Últimas Notícias
Andreas Pereira pode ‘abandonar’ nacionalidade belga para defender a Seleção Brasileira, diz site
Polícia prende um integrante de quadrilha que furtou mais de 20 cabeças de gado em Altamira
Negociações sobre acordo UE-Mercosul serão suspensas até eleições do Parlamento Europeu
Tornado atinge casas e provoca prejuízos em Alagoas
PRF apreende dez toras de madeira ilegal, em São Miguel do Guamá, nordeste paraense
Dinâmica da semana do BBB 24 tem Poder da Palavra; confira a agenda
Pep Guardiola expressa vontade de treinar seleção: ‘Gostaria de disputar uma Copa do Mundo’
Ex- Paysandu, atacante fecha com adversário do Remo na Série C de 2024
MP diz que crimes sexuais no Pará estão acima da média e nega tráfico de órgãos no Marajó
BBB 24: Marcus Vinicius fala sobre amor por Belém e revela novos planos para a carreira
Monica Iozzi detona Neymar por doar dinheiro a Daniel Alves: ‘nojento’; assista
Farinha está mais cara em Belém, e preço deve continuar subindo nos próximos meses, aponta Dieese
Saiba como não cair em golpe ao registrar marcas e patentes; assista
OAB-PA realiza ato público em apoio a advogada que se desentendeu com delegado, em Castanhal
Arouca x Famalicão: onde assistir ao vivo e o horário do jogo hoje (23/02) pelo Campeonato Português
Next
Prev

Orçamento de 2021 deveria ter sido votado e aprovado em 2020, diz Pacheco

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), avaliou nesta terça-feira que o Orçamento de 2021 deveria ter sido votado e aprovado em 2020. "Estamos dando agora toda atenção e boa vontade com o Executivo sobre os PLNs para que não haja mais divergências em relação à execução orçamentária deste ano. Espero virar essa página e que os recursos públicos sejam bem empregados", afirmou, em participação no BTG Pactual Brasil CEO Conference 2021.

O presidente do Senado defendeu ainda a legitimidade do Congresso em escolher o destino de recursos orçamentário por meio das emendas parlamentares.

O jornal O Estado de S. Paulo revelou, no entanto, o esquema do "orçamento secreto" criado pelo presidente Jair Bolsonaro e operado com verba do Ministério do Desenvolvimento Regional, uma pasta loteada pelo Centrão.

Com o aval do Planalto, um grupo de deputados e senadores pôde impor o que seria feito com ao menos R$ 3 bilhões. Toda negociação foi sigilosa e fere a lei orçamentária, o que pode levar o presidente a responder por crime de responsabilidade.

Fonte: Notícias ao Minuto

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM