Últimas Notícias
Três pessoas são presas em operação contra o tráfico de drogas no Acará
Com bela atuação, seleção masculina derrota Sérvia por 3 sets a 1 na Liga das Nações de Vôlei
Noiva surpreende e distribui doces para alunos de academia em Capitão Poço, no Pará; assista
Departamento de Estado dos EUA aprova possível venda de helicópteros Black Hawk ao Brasil, diz Pentágono
Milton Neves se desculpa após postar foto fake de Jojo Todynho nua; ouça
Justiça concede divórcio de Ana Hickmann e Alexandre Correa
Polícia prende homem que atacou acampamento pró-Palestina por agressão
Jogador de destaque na La Liga atuou com caco de vidro no pé por dois anos; entenda
Aviões militares chineses cruzam Estreito de Taiwan, diz defesa taiwanesa
CRM anuncia 'medidas cabíveis' após médico expulsar mãe e filho autista de consultório em Belém
Copa América contará com mulheres no apito pela 1ª vez na história e terá 11 brasileiros
Paraense de Capanema compartilha vida no Japão e diferenças de preços em alimentação; assista
Conflito em Gaza: relembre propostas do Brasil para fim da guerra
CNU: adiamento da prova serve para focar na preparação, dizem professores
Embaixador brasileiro não voltará ao cargo após ser humilhado em Israel, diz Celso Amorim
Next
Prev

Para mercadores de vacinas, Roberto Dias mandava, Pazuello obedecia

Troca de mensagens encontrada no celular do cabo da PM Luis Eduardo Dominguetti indica que o ex-ministro da Saúde não tinha voz de comando até no trato com subordinados. Famoso pela frase "um manda, outro obedece", o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello tinha fama de ser alguém sem voz de comando até mesmo no trato com subordinados. É o que indica uma troca de mensagens encontrada no celular do cabo PM de Alfenas, Luis Eduardo Dominguetti. No dia 20 de fevereiro, um contato identificado como Guilherme Filho Odilon explica a Dominguetti o caminho das pedras para vender vacinas ao governo: "a pessoa que tem a caneta é o Roberto Dias, caso ele tenha interesse, o Ministro acata”. Roberto Dias era o diretor de Logística do Ministério da Saúde e, portanto, subordinado a Pazuello, e teria pedido a Dominguetti propina de US$ 1 por vacina. Odilon é o homem que colocou Dominguetti no ramos de venda insumos médicos.Luiz Dominguetti na CPI da CovidFoto: Pedro França/Agência SenadoAlém de Roberto Dias, outro personagem apontando como peça chave na estrutura é o coronel Blanco. Blanco é o tenente-coronel Marcelo Blanco da Costa, assessor do Departamento de Logística, e que também estaria no jantar em que foi pedido propina, segundo Dominguetti. "O Blanco abriu a porta, agora é com vocês", incentiva Odilon. No depoimento que prestou na CPI da Covid, o cabo Dominguetti confirmou o poder do coronel Blanco sobre as maçanetas do Ministério da Saúde. "Eu fui apresentado ao Diretor de Logística Roberto Dias pelo Coronel Blanco", garantiu o PM. Bem. Esse blog não tem elementos para afirmar se a impressão dos mercadores de vacinas sobre Pazuello não ter voz de comando está correta. Mas se for isso mesmo, pode-se criar um novo posto hierárquico militar: o "oficial da passiva".

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM