Últimas Notícias
MP oferece denúncia contra PM da reserva que atirou em torcedor do Remo
Ministra da Segurança da Argentina visita maior presídio das Américas no Equador
Chefe da Otan quer armas nucleares de prontidão para se proteger de ofensiva da Rússia
Torneio ‘Amazônia Cup Internacional de Jiu-Jitsu’ reúne 2 mil competidores no Mangueirinho
Paraense de oito anos celebra aniversário com tema de ‘Jacqueline Brazil’, repórter do tempo da TV Globo; assista
Luciano Huck critica PL do Aborto na TV e cobra Arthur Lira: ‘Criança não é mãe’
Filme live-action de Chico Bento ganha primeiro trailer; assista
Eleições na França: extrema direita lidera pesquisas de inteções de votos com 33%; Macron tem 19%
Ordem para matar PM em Ananindeua partiu de facção, diz PC
Trio é preso em flagrante suspeito de vários arrastões em Parauapebas
Para fazer no frio: receita e benefícios do mingau de aveia proteico
Pai viraliza ao fazer filho escolher entre Remo e Paysandu; assista
Político é detido no Texas por falsificar ataques racistas contra si mesmo
Vídeo: homem faz mulher refém na BR-316, na Grande Belém
OAB pede arquivamento do 'PL do aborto' e destaca: 'equivale à tortura'
Next
Prev

Plataforma Tiendamia quer ajudar consumidor brasileiro a comprar nos EUA

Com o brasileiro impedido de fazer viagens internacionais por causa da pandemia de covid-19, o marketplace Tiendamia quer colocar os dois pés no mercado brasileiro. De olho no crescimento do e-commerce por aqui, a empresa recrutou a executiva Michele Chahin, ex-Accenture, para comandar a operação local com a proposta de conectar o consumidor local com lojas dos Estados Unidos. Hoje, são três companhias americanas conectadas à plataforma – Amazon, eBay e Walmart -, mas a missão é aumentar o número de vendedores já neste ano.

Dentre as vantagens prometidas para fisgar o brasileiro, estão a de entrega rápida, em até 20 dias para capitais, e a possibilidade de parcelamento das compras em até 12 vezes. E a empresa chega em bom momento: a estimativa do mercado é de que as vendas pela internet entre fronteiras ("cross-border") continue a se acelerar no País. Hoje, elas já respondem por 20% das compras online feitas por consumidores brasileiros.

A Tiendamia, com sede no Uruguai, diz querer construir uma operação local com uma "cara" brasileira. "A ideia é construir uma marca separada, com o padrão do consumo do País", afirma Michele, que prevê um crescimento da operação no Brasil de 400% neste ano, sem abrir os números atuais da companhia. Uma das características que a plataforma identificou ser uma necessidade por aqui é o suporte humano para o consumidor, e não apenas via robôs.

Segundo a executiva, além da vantagem da compra ser em real e o valor do dólar ser travado na hora da compra – o que pode ser um alívio em tempos de volatilidade cambial -, outra comodidade é receber todos os produtos adquiridos, mesmo que de lojistas diferentes, em uma mesma embalagem.

Depois de a gigante chinesa Aliexpress ter conseguido fazer fama entre os consumidores brasileiros, Michele acredita o público local já está habituado ao chamado comércio "cross-border". A Tiendamia está em negociação com operadores de logística para que o prazo de entrega possa ser reduzido, ao menos nas capitais, para em torno de uma semana.

O público que consome em sites estrangeiros no País é variado, segundo a executiva. Há os que compram produtos do dia a dia na plataforma e uma presença de gamers em busca de novidades e também dos aficionados em tecnologia, que buscam novos equipamentos.

Tendências

A decisão de ampliar o foco no Brasil em busca de crescimento ocorreu antes da chegada da pandemia de covid-19, diz Michele Chahin. "O projeto ganhou importância maior com a pandemia. O brasileiro ficou sem viajar por um período mais prolongado do que o restante da América Latina", afirma ela.

Para facilitar a compra, o cliente pode comprar no modelo "Prime", com as taxas pré-pagas, ou fazer o pagamento do imposto da Receita Federal quando o produto chegar no Brasil, por meio da plataforma dos Correios. Pedidos de até US$ 50 geralmente não são taxados. O valor da taxa é de 60% sobre a fatura da compra, somado ao Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para alguns Estados.

O presidente da Sociedade Brasileiro de Varejo e Consumo (SBVC), Eduardo Terra, diz que o e-commerce entre fronteiras é atualmente uma tendência observada mundialmente. "O interesse da Tiendamia no Brasil naturalmente vem desse boom do ‘cross-border’. Com o fechamento das fronteiras e o impedimento das pessoas de viaja, esse modelo de comércio cresceu muito e em todo o mundo", comenta o especialista.

O fundador da consultoria Varese Retail, Alberto Serrentino, aponta que a estimativa é de que quase 50% dos consumidores online no Brasil já compraram de marketplaces como AliExpress, Wish, Shopee e Shein. "Os brasileiros estão se acostumando a esse tipo de compra e já se tornou um hábito", comenta o especialista.

Segundo ele, o crescimento de venda nesse tipo de comércio deve se concentrar em compras que, juntamente com o frete, se mantenham abaixo dos US$ 50, por conta da isenção de imposto para a importação.

Fonte: Notícias ao Minuto

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM