Últimas Notícias
Homem é preso suspeito de transportar entorpecentes dentro de rede, em Juruti
Tornado nos EUA mata cinco e devasta estado de Iowa
Petrobras: Comitê de Pessoas diz que Magda Chambriard preenche requisitos para comandar empresa
Em Belém, Alckmin anuncia que ‘Brasil será oitava economia do mundo até o fim de 2024’; assista
Demapa investiga morte de 7 gatos por suposto envenenamento em Belém
Devotos lotam Paróquia em celebração de Santa Rita de Cássia no bairro de Canudos, em Belém; assista
Egito ameaça deixar de ser mediador de acordo para cessar-fogo em Gaza
Marido de cantora gospel brasileira é preso nos EUA por abuso sexual contra criança 
Com mudanças na defesa, Paysandu está escalado para a final da Copa Verde contra o Vila Nova-GO
Alepa aprova Projeto que altera o Programa Estadual de Transporte Escolar no Pará
Mortos pela chuva no RS chegam a 162, diz Defesa Civil
Paysandu faz 3 a 0 no Vila e encaminha tetra da Copa Verde; acompanhe
Ensaio da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos é adiada por causa da elevação do rio Sena
Pará registra redução de 10% nos casos de violência doméstica nos primeiros quatro meses de 2024
Banda mexicana RBD se pronuncia sobre caso de desvio de dinheiro em turnê
Next
Prev

Prefeitura vê indícios de transmissão comunitária por variante delta em SP

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A Covisa (Coordenadoria de Vigilância em Saúde), da Prefeitura de São Paulo, afirma que existem indícios de que o paciente com a variante delta do novo coronavírus identificado na capital paulista foi infectado por transmissão comunitária.

O primeiro caso de um morador na cidade de São Paulo com a cepa de origem indiana foi confirmado na noite de segunda-feira (5) pela Secretaria Municipal da Saúde. Trata-se de um homem de 45 anos, que teve sintomas leves da Covid-19, conforme a pasta da gestão Ricardo Nunes (MDB).
Segundo avaliações preliminares, ficou constatado que existem indícios de que se trata de uma transmissão comunitária, que é caracterizada na impossibilidade de identificar a origem da infecção", afirmou a secretaria, em nota.
De acordo com a pasta, o paciente afirmou que trabalha em casa, disse não ter viajado e negou que teve contato com outras pessoas que tenham viajado. A sua profissão e o local onde mora não foram informados.
Ou seja, a Covisa avalia a possibilidade de que a transmissão tenha ocorrido na própria região ou comunidade onde o paciente reside.
Outras três pessoas (mulher, filho e enteado), que moram com o paciente, também apresentaram sintomas na mesma época -o homem procurou atendimento médico no dia 19 de junho e o resultado com a confirmação da Covid-19 saiu dois dias depois-, igualmente seguem em casa e estão sendo monitorados. "A Covisa está investigando as amostras dos três familiares para que sejam encaminhadas ao Instituto Butantan", diz a pasta.
"O caso está sob investigação para descobrir de que forma ocorreu a contaminação, levando em consideração que a pessoa trabalha em casa, diz não ter viajado e não ter tido contato com pessoas que viajaram. No entanto, ele reside com mais três pessoas, que tiveram contato com outras pessoas. Todos estes contatos e locais estão sendo investigados, em busca de uma resposta para saber como ocorreu a contaminação", diz, a secretaria, em nota.
Segundo a prefeitura, a rede de atenção básica segue monitorando todos os casos suspeitos e confirmados de Covid-19. "O município continua encaminhando ao Instituto Butantan e ao Instituto de Medicina Tropical da USP cerca de 700 amostras semanais positivas para a Covid-19. Desde abril, estas apontaram apenas este caso para a variante delta, que está sendo investigado", completa a nota.
Por causa da variante, a secretaria instalou barreiras sanitárias nos terminais rodoviários da capital e no aeroporto de Congonhas (zona sul) para monitorar passageiros que chegam à cidade.
Leitos foram reservados no Hospital Geral de Guaianases (zona leste), exclusivamente para tratar pacientes com a nova cepa.
A variante delta do coronavírus Sars-CoV-2 (anteriormente chamada de B.1.617.2) foi primeiramente identificada na Índia em outubro de 2020 e é apontada como a principal responsável pelo surto de Covid-19 que atingiu o país asiático no início deste ano, sobrecarregando os sistemas de saúde e levando caos ao sistema funerário.
Até o início de julho, a variante já havia se espalhado por 98 países, de acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), independentemente das taxas de vacinação da população dessas nações. Cientistas do mundo todo vêm apontando que a delta é a variante que gera maior preocupação até o momento.
RISCOS
Especialistas alertam que a transmissão comunitária é um indicativo de que a cepa já está circulando na cidade de São Paulo, e pode provocar um aumento no número de casos.
"Isso era esperado. A pessoa diagnosticada com a variante delta não tinha viajado. Normalmente, quando se faz o diagnóstico é por amostragem. Provavelmente tem muitos casos e a cepa já está circulando aqui", afirma o infectologista Marcos Boulos, professor da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo) e integrante do Centro de Contingência do Coronavírus do governo de São Paulo, que assessora a gestão João Doria (PSDB) nos cuidados com a pandemia do coronavírus.
Por se tratar de uma variante altamente transmissível, Boulos afirma não ser o momento para se falar em qualquer tipo de flexibilização ou abertura de serviços.
Para o médico sanitarista Gonzalo Vecina Neto, professor de saúde pública da USP, a transmissão comunitária indica que essa nova variante está em plena ativação na cidade de São Paulo.
"Eu tenho muito receio do que pode vir a acontecer com o aumento da transmissão local. É muito preocupante", afirma.
Segundo Vecina Neto, embora tanto o estado de São Paulo quanto a capital venham apresentando queda no número de casos, internações e mortes, esses indicadores ainda são muito altos, e fica cada vez mais concreta a ameaça de uma terceira onda da doença.
Coordenador do Epicovid-19, o maior estudo epidemiológico sobre coronavírus no Brasil, o epidemiologista Pedro Hallal diz não estar surpreso com a confirmação da nova cepa. Ele suspeita que, assim como a variante gama (identificada pela primeira vez no Brasil no início do ano), a descoberta da variante delta pode ter ocorrido com semanas de atraso.
"Não é surpresa esse resultado. O Brasil faz pouca vigilância genômica, e por isso, demora a identificar a presença das variantes no país. O risco de que já exista a transmissão comunitária da variante delta é muito alto. E como ocorreu com a variante gama, descobriremos isso com várias semanas de atraso", afirmou Hallal, também professor da Escola Superior de Educação Física da Universidade Federal de Pelotas (RS).

*Com Informações Notícias ao Minuto

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM