Últimas Notícias
Caminhonete naufragada há dois meses é encontrada no Rio Xingu, no Pará
Ucrânia documentou mais de 300 casos de violência sexual das tropas russas
MP oferece denúncia contra PM da reserva que atirou em torcedor do Remo
Ministra da Segurança da Argentina visita maior presídio das Américas no Equador
Chefe da Otan quer armas nucleares de prontidão para se proteger de ofensiva da Rússia
Torneio ‘Amazônia Cup Internacional de Jiu-Jitsu’ reúne 2 mil competidores no Mangueirinho
Vídeo: Mbappé quebra o nariz durante jogo da Eurocopa
Paraense de oito anos celebra aniversário com tema de ‘Jacqueline Brazil’, repórter do tempo da TV Globo; assista
Luciano Huck critica PL do Aborto na TV e cobra Arthur Lira: ‘Criança não é mãe’
Filme live-action de Chico Bento ganha primeiro trailer; assista
Eleições na França: extrema direita lidera pesquisas de inteções de votos com 33%; Macron tem 19%
Ordem para matar PM em Ananindeua partiu de facção, diz PC
Trio é preso em flagrante suspeito de vários arrastões em Parauapebas
Suspeitos de envolvimento em plano de sequestro de Sérgio Moro morrem em penitenciária de São Paulo
Para fazer no frio: receita e benefícios do mingau de aveia proteico
Next
Prev

Sucessão na Cielo reflete tensão entre os sócios

A renúncia do presidente da Cielo, Paulo Caffarelli, após quase três anos no cargo, ocorreu em meio a um desgaste crescente entre os sócios Banco do Brasil e Bradesco, apurou o Estadão/Broadcast.

O anúncio, feito na noite de quarta-feira, foi mal recebido no mercado, em meio à sensação de que a reestruturação, até então em curso, vai atrasar, prejudicando ainda mais a líder das maquininhas.

Pesou na decisão do executivo a difícil relação entre o Bradesco e o Banco do Brasil, disseram três fontes, na condição de anonimato. A permanência de Caffarelli na presidência da Cielo era exatamente um dos vetores de estresse entre os sócios.

Isso porque o governo, que controla o BB, não queria o executivo no cargo por enxergá-lo como um nome alinhado ao PT, por conta de seu histórico profissional, a despeito de ter presidido o banco público somente na presidência de Michel Temer, após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

A insatisfação do Planalto não vem de hoje. Desde o começo do novo governo, há uma força-tarefa para limar aqueles considerados petistas nas empresas públicas e coligadas.

A Cielo não ficou de fora. Nos bastidores, comenta-se que foram feitas três tentativas para tirar Caffarelli da presidência da companhia. Na primeira, o até então presidente do BB, Rubem Novaes, impediu. Na segunda, foi a vez do Bradesco, que trouxe o executivo para o cargo, entrar em ação.

Já a terceira tentativa estava em curso, dizem as fontes. O nome de um possível substituto para presidir a empresa seria o do presidente do banco Desenvolve-SP, Nelson de Souza, que teria o apoio do Centrão.

O Bradesco, porém, teria rejeitado, em um esforço de blindar seu negócio de maquininhas de pressões políticas.

Diante do desgaste entre os sócios, Caffarelli teria comunicado sua intenção de deixar o cargo, relataram as fontes. A medida evitaria, assim, explicam, uma fritura pública, que se tornou uma espécie de praxe no governo Bolsonaro.

Uma fonte próxima a Caffarelli afirmou que permanecer na Cielo era "insustentável" para o executivo, visto que ele não desfrutava mais de apoio político. "Era uma situação difícil. O desgaste foi muito grande", afirmou, na condição de anonimato.

Caffarelli chegou à Cielo a convite do Bradesco, após deixar o comando do BB, no fim da gestão Temer, em novembro de 2018. O executivo capitaneou uma reestruturação na companhia, com o corte de custos e mudança de foco, voltando-se ao varejo, que é mais rentável.

Em paralelo, tentava reposicionar a líder das maquininhas em um cenário de elevada competição e inovação tecnológica. No meio do caminho, teve de lidar com a pandemia, que afetou diretamente o varejo.

"A saída de Caffarelli no meio da reestruturação é ruim. A sinalização que tenho é a de que a reestruturação vai demorar muito mais do que o esperado", disse o diretor de renda variável da Eleven Financial, Carlos Daltozo.

Novos tempos

Para outro especialista, a saída do executivo pode sinalizar uma "mudança dos rumos da companhia", fechando um eventual ciclo de uma empresa listada em bolsa, com dois controladores. Ele lembra que a estrutura societária da Cielo "precisa e está sendo repensada".

Procurada, a Cielo não comentou. O Bradesco afirmou que se trata de uma decisão pessoal do executivo e que o banco respeita. O BB não se manifestou.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Notícias ao Minuto

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM