Últimas Notícias
Osasuna x Villarreal: onde assistir ao vivo e as escalações do jogo de hoje (25/05) por La Liga
Jovem atacada com soda: saiba os perigos do ácido e o que fazer em caso de intoxicação
Tensão pós-enchente: especialista aponta risco de aumento de criminalidade no RS
Antônio de Oliveira, Elói Iglesias e Belém de Belém celebram o Norte e lançam ‘Eu Quero Ver No Pará’
Três pessoas são presas em operação contra o tráfico de drogas no Acará
Com bela atuação, seleção masculina derrota Sérvia por 3 sets a 1 na Liga das Nações de Vôlei
Noiva surpreende e distribui doces para alunos de academia em Capitão Poço, no Pará; assista
Departamento de Estado dos EUA aprova possível venda de helicópteros Black Hawk ao Brasil, diz Pentágono
Milton Neves se desculpa após postar foto fake de Jojo Todynho nua; ouça
Entenda quais são as medidas que o Tribunal da ONU emitiu para Israel
Justiça concede divórcio de Ana Hickmann e Alexandre Correa
Polícia prende homem que atacou acampamento pró-Palestina por agressão
Jogador de destaque na La Liga atuou com caco de vidro no pé por dois anos; entenda
Aviões militares chineses cruzam Estreito de Taiwan, diz defesa taiwanesa
CRM anuncia 'medidas cabíveis' após médico expulsar mãe e filho autista de consultório em Belém
Next
Prev

TCU determina que hospitais militares cedam leito vago para civis em situações de crise

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O TCU (Tribunal de Contas da União) determinou que as Forças Armadas cedam leitos clínicos e de UTI vagos em hospitais militares a civis atendidos pelo SUS (Sistema Único de Saúde), em casos de colapso do sistema.

O órgão apurou possíveis irregularidades no Ministério da Defesa e nos comandos de Aeronáutica, Exército e Marinha, por não ofertarem leitos a civis disponíveis em unidades militares de saúde durante a pandemia de Covid-19.

Isso porque essas unidades fazem parte da administração pública, recebem recursos federais e utilizam instalações da própria União.

Segundo auditoria do TCU, os hospitais militares consomem R$ 3,45 bilhões em dinheiro público. Isso corresponde a 71% dos recursos provenientes do Tesouro Nacional.

Por isso, o tribunal determinou ao Ministério da Saúde, à Casa Civil e ao Ministério da Defesa a adoção de medidas para os casos em que os sistemas de saúde de localidades entrem em colapso pelo excesso de demanda.

Para o tribunal, caso haja disponibilidade da oferta de serviços de saúde pelas unidades militares, não há razões para que não se somem esses serviços aos demais oferecidos pelas unidades do SUS, com a finalidade de preservar vidas.

O TCU também recomendou aos órgãos que disponibilizem diariamente os dados referentes a cada uma de suas organizações de saúde, com discriminação do quantitativo total de leitos clínicos e de UTI, bem como a taxa de ocupação de cada um.

Documento enviado pelo Ministério da Defesa à CPI da Covid no Senado mostrou que, diante de pedidos de estados e municípios, as Forças Armadas negaram o compartilhamento de leitos de enfermaria e de UTI com civis, apesar de haver vagas disponíveis em hospitais militares

O documento é assinado pelo ministro Walter Braga Netto. As solicitações foram feitas por Distrito Federal, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Amazonas e pelo município de Xanxerê, em Santa Catarina.

A pasta não detalhou quando os governos estaduais pediram os leitos, mas as planilhas entregues à CPI mostram que, em diversos períodos de janeiro a abril deste ano, havia vagas. Esses leitos ficam bloqueados à espera de militares e seus dependentes.

*Com Informações Notícias ao Minuto

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM