Últimas Notícias
Três pessoas são presas em operação contra o tráfico de drogas no Acará
Com bela atuação, seleção masculina derrota Sérvia por 3 sets a 1 na Liga das Nações de Vôlei
Noiva surpreende e distribui doces para alunos de academia em Capitão Poço, no Pará; assista
Departamento de Estado dos EUA aprova possível venda de helicópteros Black Hawk ao Brasil, diz Pentágono
Milton Neves se desculpa após postar foto fake de Jojo Todynho nua; ouça
Justiça concede divórcio de Ana Hickmann e Alexandre Correa
Polícia prende homem que atacou acampamento pró-Palestina por agressão
Jogador de destaque na La Liga atuou com caco de vidro no pé por dois anos; entenda
Aviões militares chineses cruzam Estreito de Taiwan, diz defesa taiwanesa
CRM anuncia 'medidas cabíveis' após médico expulsar mãe e filho autista de consultório em Belém
Copa América contará com mulheres no apito pela 1ª vez na história e terá 11 brasileiros
Paraense de Capanema compartilha vida no Japão e diferenças de preços em alimentação; assista
Conflito em Gaza: relembre propostas do Brasil para fim da guerra
CNU: adiamento da prova serve para focar na preparação, dizem professores
Embaixador brasileiro não voltará ao cargo após ser humilhado em Israel, diz Celso Amorim
Next
Prev

Yasmin acusa o COB de ‘patriotismo seletivo’ por não levá-la a Tóquio

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – A modelo Yasmin Brunet, esposa do surfista Gabriel Medina, postou uma série de vídeos no Instagram criticando o COB (Comitê Olímpico do Brasil) por não credenciá-la como oficial técnico nos Jogos Olímpicos de Tóquio. O tema é dado como página virada pela entidade, mas segue incomodando o casal, que desta vez se pronunciou por meio de Yasmin.

"No momento em que ele subir no pódio, vai estar todo mundo ali atrás dele, mas, quando ele está pedindo ajuda, estão fazendo descaso. Esse tipo de patriotismo seletivo não faz sentido para mim", reclamou a modelo.

Cada modalidade recebe do COB um número determinado de credenciais de oficiais técnicos para os Jogos Olímpicos e distribui a partir de critérios da confederação. A maioria delas tem técnicos que atendem toda a equipe, mas, no caso do surfe, a CBSurfe (Confederação Brasileira de Surfe) optou por deixar que cada atleta escolhesse o profissional que o acompanharia. Antes da pandemia, eram duas vagas, mas esse número foi cortado depois que a Olimpíada encolheu como medida de segurança para conter a disseminação do novo coronavírus.

Inicialmente, Medina indicou seu padrasto, Charles Medina, que era seu técnico, e com quem ele rompeu profissional e pessoalmente. Depois, pediu que o australiano Andy King, treinador que ele contratou no início do ano, fosse inscrito. Em um terceiro momento, quis incluir Yasmin. Ao saber que as credenciais haviam sido reduzidas de duas para uma, solicitou então que King saísse e Yasmin entrasse.

Mas o COB não aceitou, com o entendimento de que Yasmin não cumpre função técnica. Além disso, havia sido feito um acordo, em maio, com Medina, que ele seria acompanhado do treinador australiano.

O casal bate na tecla que Ítalo Ferreira vai acompanhado de um amigo -que, no entanto, trabalha para ele como videomaker há muitos anos e tem amplo conhecimento de surfe e de análise de ondas- e que Weston-Webb viajará ao lado do marido, Jessé Mendes -contudo, ele é surfista profissional e único brasileiro a vencer uma etapa na praia onde vai acontecer a competição. Além disso, o técnico dela já vai para a Olimpíada pelos Estados Unidos.

Yasmin entende que ela também teria direito de ser inscrita. "Tem um levando o amigo, outra levando o marido. Só o atleta sabe o que vai precisar nesse momento. Só o atleta sabe quem vai ajudar. Isso devia ser respeitado", apontou.

A modelo citou ainda como argumento o fato de Medina estar vivendo momentos conturbados com a família. "Ele está passando por momentos complicados na vida pessoal dele. O surfe é esporte individual, e quem compete sabe da importância do psicológico. Sou uma das únicas pessoas que sabe o que está acontecendo, que apoia. Quando ele está chorando, estou ao lado dele. Isso está surtindo efeito, ele está no melhor momento da vida dele. Não tem como compreender por que um pedido para ser tratado como os outros está sendo negado", afirmou.

O COB tem tratado o assunto como página virada. Existe uma lista larga enviada há algum tempo para o Comitê Organizador, e quem estava fora dela não pode entrar no Japão -é o caso de Yasmin. Assim, mesmo se o COB quisesse, não seria possível inscrevê-la.

O comitê optou por não discutir publicamente com Medina. Em sua última manifestação, a entidade citou a limitação de inscritos e o acordo prévio feito com Medina para que ele levasse seu treinador a Tóquio. Ainda ponderou que apoiava um programa chamado "Familiares e Amigos", que permitiria que os atletas levassem pessoas próximas ao Japão -a iniciativa, no entanto, precisou ser cancelada devido à pandemia.

*Com Informações Notícias ao Minuto

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM