Últimas Notícias
Wesley Safadão inicia show cantando ‘virote’ e agita casa do BBB 24; assista
Milei discursa na abertura do Congresso argentino e chama parlamentares de ‘casta’
Lula e Maduro tratam de eleições na Venezuela no segundo semestre
Milei diz que enviará novos projetos de reforma ao Congresso argentino e ameaça parlamentares
Geraldo Alckmin socorre profissional de imprensa que passou mal durante coletiva em Manaus
Centro de Controle de Zoonoses realiza feira de adoção de cães e gatos neste sábado, em Belém; confira local
Convocado para a Seleção Brasileira, meia Andreas recusou convite para defender a Bélgica
Pará registra crescimento de 35% em empregos formais para mulheres
Centroavante do Paysandu quer garantir liderança isolada em jogo contra o Castanhal
Tiago Leifert deixa canal esportivo após colega defender Daniel Alves
Eleições 2024: TSE publica regras sobre uso de Inteligência Artificial
Mais países pedem investigação sobre tragédia em Gaza
Maduro se reúne com Lula na Cúpula da Celac e diz que eleições na Venezuela estão garantidas
PM da reserva morre baleado na Zona Leste de São Paulo
Influenciador repercute na internet com versões paraenses de hits internacionais; assista
Next
Prev

Campanha de coleta de DNA vai auxiliar na busca por desaparecidos

Auxiliar a identificação de pessoas desaparecidas com o cruzamento do material genético de familiares. Essa é a ideia da Campanha Nacional de Coleta de DNA de familiares de pessoas desaparecidas, uma iniciativa de vários órgãos federais, entre eles: os Ministérios da Justiça e o da Mulher, Família e Direitos Humanos; e a Defensoria Pública.

A campanha foi lançada nesta terça-feira, que é o Dia Internacional das Crianças Desaparecidas.

A coleta será realizada entre os dias 14 e 18 de junho, em todos os estados. E o material vai fazer parte do Banco Nacional de Perfis Genéticos para a identificação dessas pessoas.

O ministro da Justiça, Anderson Torres, explicou que essa campanha é apenas uma das ações para ajudar a encontrar as milhares de pessoas que desaparecem todos os anos no Brasil. Ele ressalta que outras frentes precisam ser abertas para agilizar essas buscas.

A coleta deve ser feita, preferencialmente, por familiares de primeiro grau da pessoa desaparecida, seguindo a ordem de preferência: pai e mãe; filhos; irmãos. O DNA do próprio desaparecido também poderá ser extraído de itens de uso pessoal, tais como: escova de dentes, escova de cabelo ou aparelho de barbear. Para saber onde fazer a coleta ou entregar esses itens, basta procurar a Secretaria de Segurança Pública do seu estado.

De acordo com a base de dados do Ministério da Justiça e Segurança Pública, os estados com maior número de registro de ocorrências de desaparecimento são Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo.

Atualmente, constam cerca de 57 mil boletins de ocorrência de pessoas desaparecidas e não localizadas. Somente nos últimos dois anos, foram incluídos 22 mil boletins no sistema.

*Com Informações Notícias ao Minuto

DEIXE SEU COMENTÁRIO

LEIA TAMBÉM